Em São Paulo, a norte-americana criticou a democracia estabelecida no Brasil, o governo Bolsonaro e exaltou o trabalho realizado pelas mulheres negras

Texto / Lucas Veloso | Edição / Pedro Borges | Imagem / Artur Renzo 

O que há de errado com a raiva [dos negros]? Essa foi uma das colocações feitas pela ativista norte-americana Angela Davis na conferência de encerramento do seminário “Democracia em Colapso?”, no último sábado (19), em São Paulo.

Durante o momento das perguntas, foi questionada sobre o sentimentos das pessoas negras perante as violações dos direitos. O participante disse que na sociedade brasileira ‘os negros devem ser mansos’.

"Tenho problemas com a raiva quando é mal direcionada, mas a raiva, quando é bem direcionada, nos ajuda a progredir”, pontuou. “Mulheres negras têm a reputação de serem raivosas e isso é bom, completou a ativista.

Angela é filósofa, professora emérita do departamento de estudos feministas da Universidade da Califórnia e ícone da luta pelos direitos civis. Integrou o Partido Comunista dos Estados Unidos, tendo sido candidata a vice-presidente da República em 1980 e 1984.

Atuante no grupo Panteras Negras, foi presa na década de 1970 e ficou mundialmente conhecida pela mobilização da campanha “Libertem Angela Davis”. Autora de vários livros, sua obra é marcada pelas reflexões acerca do racismo, encarceramento e a contribuição das mulheres negras.

Durante seu discurso no sábado, Davis fez diversas citações a mulheres brasileiras, como a vereadora Marielle Franco, definida como ‘farol de esperança. “[Ela] acreditava que o racismo poderia ser abolido, que não estávamos destinados a viver com ele. A liberdade é uma luta constante, e Marielle sabia disso”.

A cantora Preta Ferreira, uma das lideranças de moradia em São Paulo, que ficou presa por 108 dias em São Paulo, foi lembrada no discurso inicial. Angela parafraseou a militante. "Preta livre, e sim, pretas livres", bradou, seguida de fortes aplausos da platéia. "Liberdade para as mulheres negras deveria significar liberdade para todos".

Para a filósofa, o Brasil tem grandes pensadoras feministas, mas ainda recorre aos Estados Unidos. "Eu sinto que preciso representar para vocês o feminismo negro. Por que vocês têm que olhar para os Estados Unidos? Eu aprendi mais com Lélia Gonzalez [antropóloga e ativista negra brasileira, morta em 1994] do que vocês aprenderão comigo.", pontuou.

Democracia

Sobre o tema da conferência, Angela criticou a democracia que privilegia grupos sociais, em detrimento da população negra.

“A democracia, nos Estados Unidos como no Brasil, é uma democracia racista porque exclui os negros, é misógina porque exclui as mulheres, é elitista porque exclui os pobres, inclusive homens brancos, e é excludente também com as pessoas com deficiência”, analisou. “A democracia que virá terá de corrigir tudo isso”.

É de Angela a frase “Quando a mulher negra se movimenta, toda a estrutura da sociedade se movimenta com ela”. Neste sentido, a filósofa, ressaltou a importância de envolve-las. “Não há democracia sem a participação das mulheres negras, afinal, elas representam os pobres, os indígenas, as vítimas de violência racial e os oprimidos.”.

Para ela, os atuais modelos de democracia são influenciados pela supremacia branca, prejudicial às populações mais vulneráveis socialmente. Ainda, de acordo com o pensamento, Angela relaciona as penitenciárias como lugares para onde são enviadas as populações que não foram atendidas pelos governos em seus direitos. “Se não lida com as pessoas, livre-se delas”, resumiu.

Socialista, a ativista defendeu que só com uma ‘transformação socialista’ a democracia terá uma ‘transformação radical’ com garantia de inclusão e diversidade.

À la Trump

A ativista apontou, em diversos momentos, semelhanças entre o governo de Jair Bolsonaro e de Donald Trump. Sobre o presidente brasileiro, ela disse que “parece se identificar com ditaduras militares”.

“Há pouco tempo, pessoas que amam a liberdade, como eu, olhavam para o Brasil como um farol de esperança, uma vez que afro-brasileiros e especialmente mulheres afro-brasileiras estavam emergindo e trazendo demandas democráticas raciais”, destacou em determinado trecho.

Sem fazer citações nominais, Angela disse que, como Trump, o presidente do Brasil reforça uma agenda preconceituosa contra o país e os movimentos sociais.

Em tom de brincadeira, Angela lembrou que para não citar o nome do presidente americano, um grupo de mulheres costuma se referir a ele como o ‘morador da Pennsylvania Avenue, número 1600’, o endereço oficial da Casa Branca, sede do governo norte-americano.

Veganismo

Entre as centenas de perguntas do público presente, dezenas questionavam a escolha da ativista pelo veganismo. Primeiro, ela lembrou que deixou de comer carne durante o cárcere, pois na comida tinham larvas. Isso era nojento para ela.

Depois, quando descobriu o tratamento dado aos animais abatidos, decidiu não consumir mais o alimento por não concordar com as práticas. “Essa consciência vem dos indígenas, baluartes do mundo em que habitamos”, observou.

“Sabe de uma coisa? Se não salvar o planeta, nada do que fazemos tem valor. Deveríamos estar pensando sobre os oceanos, o ar”, completou.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos