fbpx

Marília Castro Neves, do TJ-RJ, comentou em post do advogado Paulo Nader que a ex-vereadora, executada no dia 14, estava “engajada por bandidos”

Texto / Amauri Eugênio Jr.
Imagem / Mídia Ninja

 

Na sexta-feira (16), a magistrada Marília Castro Neves, do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), afirmou, em publicação feita no Facebook, que Marielle Franco havia sido eleita pelo Comando Vermelho e estava “engajada com bandidos”. O comentário foi feito em post publicado pelo advogado Paulo Nader, que se referiu à ex-vereadora, assassinada na quarta-feira (14), como “lutadora dos direitos humanos e líder de uma população sofrida”.

Na mesma publicação, Neves declarou que ela havia descumprido “‘compromissos’ assumidos com seus apoiadores” e que “mais do que qualquer outra pessoa ‘longe da favela’”, Marielle sabia “como são cobradas dívidas por grupo entre os quais transacionava” e que apesar de nunca ser possível saber o que determinou a execução, o engajamento político da vítima foi determinante para a tragédia. Por fim, a magistrada ressaltou que “qualquer outra coisa diversa é mimimi da esquerda tentando agregar valor a um cadáver tão comum quanto qualquer outro”.

Contudo, o comentário da desembargadora foi baseado em uma fake News, uma vez que não há elementos que respaldem tais afirmações. Após a repercussão do caso, o qual motivou um grupo de advogados começar a fazer campanha para ela ser denunciada ao CNJ (Conselho Nacional de Justiça) em virtude do teor da declaração.

Vale ressaltar que a morte de Marielle Franco teve mais de 567,1 mil menções no Twitter entre as 22h de 14 de março e as 17h do dia seguinte. De acordo com levantamento da FGV-DAPP (Diretoria de Análise de Políticas Públicas), da FGV, cerca de 7% dos comentários feitos continham críticas ao PSOL e teor negativo em relação à ex-vereadora – apesar de o comentário de Marília Castro Neves ter sido feito em outra rede social, é possível dizer que ela faz parte de minoria que tenta minimizar a tragédia.

Repercussão e desdobramentos

Em entrevista publicada sábado (17) na coluna de Monica Bergamo, da Folha de S.Paulo, a desembargadora afirmou que postou informações lidas em um texto de uma amiga e estava se opondo à politização da morte dela – apesar disso, ela se contradisse, pois afirmara no comentário que o engajamento político foi determinante para a tragédia.

Ainda, Marília Castro Neves citou que “outro dia uma médica morreu na Linha Amarela e não houve essa comoção” e “ela também lutava, trabalhava, salvava vidas”. Em 2016, a médica Gisele Palhares Gouvêa foi assassinada durante tentativa de assalto na saída da rodovia Presidente Dutra, no acesso à Linha Vermelha. À época, o nome dela seria dado à expansão da Maternidade Municipal Mariana Bulhões, em Nova Iguaçu.

O PSOL entrará com representação oficial contra a desembargadora no CNJ, além de ação criminal por calúnia e difamação, em virtude do pronunciamento calunioso. Ivan Valente, deputado federal pela mesma legenda, afirmou em sua página no Facebook que o episódio “mostra a que ponto chegou o nível de alguns magistrados”, acusações de calúnia, difamação e mentira serão alvos de processos e que o CNJ deve manifestar-se com urgência sobre esse fato. “Sua atitude e irresponsabilidade devem ser execradas publicamente”, afirmou o parlamentar, ao ressaltar que a declaração da desembargadora “mostra também que a estupidez humana pode ser ilimitada”.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com