fbpx
 

Familiares e amigos da vítima se uniram a ativistas em protesto por justiça nesta sexta-feira (18); corpo de Lucas foi encontrado em novembro de 2019, com sinais de tortura, em uma represa do ABC Paulista

Texto: Juca Guimarães e Pedro Borges I Edição: Nataly Simões I Imagem: Pedro Borges

Cerca de 50 pessoas participaram de um ato na praça IV Centenário, no paço Municipal de Santo André, na região do ABC paulista, nesta sexta-feira (18), para exigir explicações do poder público sobre o assassinato de Lucas Eduardo Martins, que tinha 14 anos, após uma abordagem policial.

O corpo de Lucas foi encontrado em uma represa após o menino desaparecer em novembro de 2019. O laudo do IML (Instituto Médico Legal) apontou morte por asfixia mecânica e afogamento, perto da Favela do Amor, na Vila Luzita, onde o menino morava.

De acordo com uma reportagem da Ponte Jornalismo, Lucas deixou a casa onde morava com a madrasta, um irmão e a cunhada para comprar um refrigerante em uma quitanda que fica dentro da própria comunidade. A madrasta conta que, de dentro de casa, ouviu a voz de Lucas dizer “eu moro aqui” para alguém. Ao sair, viu uma viatura da Polícia Militar deixando o local. Ela acredita que o enteado estivesse dentro do carro. Depois disso, Lucas nunca mais foi visto.

O ato começou por volta das 14h e contou com a participação de familiares e amigos da vítima, além de integrantes do movimento negro. “Estamos aqui no paço municipal para perguntar quem matou o Lucas? Por que matou o Lucas? Por que interrompeu uma vida de 14 anos? A mãe ficou desesperada até encontrar o corpo. Enquanto procuravam ele, foram encontrados três outros corpos negros em rios”, afirma Katiara Oliveria, da rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio.

No início das investigações, dois policiais militares foram afastados por suspeita de envolvimento no assassinato. “A polícia é corrupta e se esconde atrás de uma farda para matar os filhos da gente e destruir a nossa família. É isso que eles fazem. Hoje eu vivo a base de remédios. Estou em uma depressão profunda”, relata Maria Martins dos Santos, mãe de Lucas.

Maria conta que o corpo do filho estava com marcas de tortura quando foi encontrado. Uma das pernas do menino estava quebrada. “Não tem como o meu filho ter morrido afogado. O que ele iria fazer na represa 1 hora da manhã?”, questiona.

casolucasporpedroborgesdois

Manifestantes em frente ao Paço Municipal de Santo André, no ABC Paulista, em ato por respostas sobre a morte de Lucas. (Foto: Pedro Borges)

Para Deise Benedito, Mestre em Direito e Criminologia pela UnB (Universidade de Brasília), o caso do Lucas é parte do racismo estrutural. “A criação de uma identidade criminosa negra no Brasil é antiga. Jovens africanos escravizados que fugiam eram rotulados como elementos em captura. Então se colocavam aquelas placas, aquele que capturar o escravo favor devolvê-lo na delegacia. Essas abordagem policiais de hoje não se diferenciam das abordagens violentas do tempo da escravidão”, pondera.

O defensor público Marcelo Novaes estava presente no ato desta sexta-feira e falou sobre as circunstâncias da morte de Lucas. “Existem indícios de que ele foi retirado de lá por agentes estatais. Eles tinham a obrigação de entregá-lo vivo à sua família”, salienta Novaes, da 1ª Defensoria Pública de Santo André, que deve propor uma ação de responsabilidade contra o Estado.

A assessoria da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo foi procurada pelo Alma Preta para explicar o andamento da investigação sobre o caso. Até a publicação deste texto, o órgão vinculado ao governo do estado não respondeu aos questionamentos da reportagem.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com