fbpx

Da direita à esquerda, familiares ponderam que o nome de Marielle tem sido utilizado de maneira inapropriada, sem consulta prévia e sem respeitar os valores da defensora dos direitos humanos

Texto / Pedro Borges
Imagem / Reprodução

As eleições de 2018 foram muito duras para a família de Marielle Franco, assassinada em 14 de março do ano passado. A expectativa de toda a família era vê-la participando do pleito como figura de destaque. Ela chegou, inclusive, a ser cogitada para disputar o cargo de vice-governadora no RJ, senadora ou deputada federal.

“Se ela não tivesse sido assassinada, ela teria sido muito atuante e com mais veemência defenderia os direitos humanos”, diz Antonio Francisco da Silva, aposentado e pai da ex-vereadora.

A dor pela ausência da filha se somou à tristeza em ver o nome de Marielle Franco sendo utilizado a todo momento em propagandas políticas, além do aproveitamento, por parte dos setores progressistas, do fato da ex-vereadora ter se tornado ícone mundial.

“O PSOL, que elegeu algumas deputadas a nível estadual, a nível federal, usou muito o nome da Marielle e ficou, como eu falei, com o bônus. E o ônus ficou conosco”, diz.

A sensação é a mesma de Anielle Franco, professora e irmã. Para ela, a familiar executada teve impacto para o PSOL nas eleições nacionais e também a nível regional, no Rio de Janeiro.

“A Marielle levantou o partido”, disse, de maneira enfática.

Antonio Francisco acredita que em todo país pessoas de diferentes partidos também se elegeram com o nome de Marielle sem fazer política como a filha fazia. “Houve pessoas eleitas que não fazem política como Marielle fazia. A política que a Marielle fazia era de enfrentamento, de ir lá ao local das covardias, das execuções. Ela ia, falava e dava voz àquelas pessoas”, recorda orgulhoso.

O sentimento de utilização inapropriada do nome não se restringe ao partido. Defensores de direitos humanos, inclusive negros, também reproduziram a mesma lógica. “A pior coisa que tem é você ter tomado pernada de gente como você. Se você é negra e vem de baixo, você entende como é o dia a dia da gente”, conta Anielle Franco.

familia franco

Foto: Solon Neto

A família, porém, afirma em tom de voz firme que não deixará ninguém viver em nome da parente querida e recorda que, por carregar nas veias o sangue da ex-vereadora, não deixará de brigar pelo que acredita.

“A gente tem sangue de Marielle, e aí as pessoas não entendem o que é ancestralidade, o que é ter o sangue daquela pessoa que foi ali assassinada. As pessoas falam ‘não, vamos deixar para lá’, até a hora que a gente de fato resolver dar nome aos bois”, explica Anielle.

Para ela, o caso da irmã é ilustrativo para demonstrar qual lado que as pessoas têm tomado. Enquanto algumas aceitam se solidarizar aos familiares, outros preferem o silêncio ou mesmo se aproveitar da imagem de Marielle Franco e depois abandonar a família.

“As pessoas estão escolhendo lados. Eu posso segurar a sua mão ou não, só que tem muita gente que quer ficar em cima do muro. ‘Eu não vou escolher o lado preto da parada, eu não vou escolher o lado homossexual, eu vou ficar aqui parada’. E aí tem um problema com isso. Porque se você se cala, você está sendo conivente com aquilo ali. Se a gente começar a falar e reclamar ou contestar alguma coisa a gente é considerada as pretas raivosas ou os favelados pretos raivosos”, completa a irmã da ex-vereadora.

Essa situação tem gerado dificuldade na família em confiar nas pessoas. Sempre que alguém se aproxima e cita o nome de Marielle, o sinal de alerta é ligado. “A gente hoje experimentou na própria pele a ingratidão das pessoas, o oportunismo das pessoas, a virada das costas das pessoas””, lamenta Anielle.

PSOL

A equipe do Alma Preta entrou em contato com a assessoria de imprensa do PSOL mas não obteve resposta até o fechamento desta reportagem.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com