fbpx

Em artigo, a socióloga e mestra em Ciências Humanas e Sociais, e professora da Faculdade Zumbi dos Palmares, Najara Costa fala sobre a urgência de transformar a naturalização da violência contra a mulher em meio à pandemia

Texto Najara Costa | Imagem / Reprodução

A campanha pelo isolamento social estabelecida em decorrência da pandemia em escala mundial causada pelo Covid 19, trouxe, a reboque, uma latente fragilidade qual grande parcela das mulheres estão submetidas: a violência doméstica. É isso mesmo! Experienciar mais tempo ao lado do parceiro pode significar para muitas um sério risco de vida.

As já gritantes estatísticas que traduzem a misoginia estabelecidas no Mapa da Violência refletem o quanto o espaço familiar pode não ser um ambiente seguro, especialmente para mulheres negras. Nesse sentido, muitos outros casos de agressões, e até mesmo feminicídios, passam a ser notificados e alertados no atual contexto pela ONU e/ou outras tantas organizações políticas e sociais, vide o necessário confinamento recomendado pela organização mundial da saúde (OMS).

Jair Bolsonaro, em uma das suas muitas atitudes irresponsáveis, chegou a declarar que os casos de violência doméstica no Brasil aumentaram pela falta de comida na casa das pessoas, em razão de muitos estarem em quarentena e impossibilitados de trabalhar.

Neste ponto, além de se eximir de responsabilidades que o competem, tais como o direcionamento de ações políticas em prol de medidas emergenciais em um contexto de crise, a fala do presidente orienta dois grandes equívocos, sendo o de que a fome geraria a violência contra a mulher, acrescido de que o isolamento social deveria acabar, já que “o Brasil não pode parar”.

Não nos caberá aqui grandes justificativas acerca da necessária quarentena, medida cientificamente recomendada neste momento para a preservação de vidas e capaz, inclusive, de evitar um caos no Sistema Único de Saúde (SUS). De outro modo, a relativização da agressão sobre as mulheres é não só lamentável como desprezível, especialmente quando proferida pela principal autoridade do poder executivo.

Promover novas estratégias de sociabilidade a partir de redes de apoio e conscientização será um grande passo rumo a efetiva emancipação feminina, outrossim, o amparo do Estado a partir do reconhecimento das vulnerabilidades que permeiam irrestritas violências é fundamental.

Nesse sentido, é urgente a compreensão e alternância de um cenário que impõe a naturalização das violações dos direitos das mulheres, onde prerrogativas básicas rumo à equidade não são asseguradas.

Najara Costa é socióloga, mestra em Ciências Humanas e Sociais e professora da Faculdade Zumbi dos Palmares.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com