fbpx

Quadras e estádios voltam a se transformar em arena de protestos contra o racismo após 50 anos de “punhos cerrados” nas Olimpíadas no México

Texto: Aline Bernardes | Imagem: Reprodução

Cinquenta e dois anos depois de cerrar o punho em sinal de protesto nas Olimpíadas do México em 1968, os ecos desencadeados por John Carlos e Tommie Smith contra o racismo ainda ressoam com força no mundo do esporte. O futebol, infelizmente, não reproduz nada de novo. Do Brasil a Portugal, a convivência pacífica com o preconceito tem sido assimilada como norma ao longo de décadas. E os sinais estão aí para quem quiser ver. Mas se antes a conivência com o racismo era regra não escrita do futebol, hoje a relativização da discriminação racial em nome do espetáculo não tem vez – ou pelo menos não deveria ter.

Mundo, 2020. Enquanto a pandemia do novo coronavírus impedia aglomerações e pedidos de “fique em casa” eram amplamente divulgados pelas autoridades sanitárias, dois episódios iniciaram as ondas de protestos nos Estados Unidos. O brutal assassinato de George Floyd por um policial branco enquanto dizia “eu não consigo respirar” no mês de maio e o alvejamento por sete tiros nas costas de Jacob Blake fizeram atletas da NBA, liga de basquete, pintar as quadras com Black Lives Matter (Vidas Negras Importam) e cancelar jogos devido à paralisação dos jogadores da franquia em protesto.

Assistir atletas da NBA se manifestar não é novo. O que me deixou surpresa e, de certa forma aliviada, foi presenciar a quebra do silêncio ensurdecedor do futebol mundial frente a essa pauta. Quantos casos de racismo nos estádios, seja de jogadores, comissão técnica ou torcedores você consegue resgatar na sua memória? As bananas jogadas em direção a Daniel Alves, ainda no Barcelona, e ao Balotelli quando jogava na Itália, as imitações de sons de macacos dirigidos ao Tinga durante uma partida contra o Real Garcilaso-PER e ao Yaya Touré em partida pela UEFA, e tantos outros exemplos.

Se existe a regra 50 da Carta Olímpica, que proíbe manifestações políticas e religiosas durante os Jogos Olímpicos, e pontos do artigo 67, da Conmebol, que veta protestos de jogadores, também há aquele ditado “regras foram feitas para serem quebradas”. Para analisar especificamente o futebol e como o boicote aos atletas que se rebelavam frente ao racismo eram feitos, é preciso apoiar-se na história.

Um dos casos mais emblemáticos do futebol talvez seja o de Moacir Barbosa, goleiro do Vasco da Gama, considerado um dos grandes jogadores de sua posição na sua época. A segurança com que impedia a bola de ir às redes, a elasticidade, o bom posicionamento, saídas rápidas do gol com uma mão só e defesas de mão trocadas, o fizeram conquistar a sonhada vaga na seleção brasileira. Mas, a lembrança que perpetua na memória do torcedor brasileiro é o chute que ele não conseguiu defender.

Maracanã, 1950. Aos olhos de mais de 200 mil pessoas presentes no estádio, a seleção brasileira jogava por um empate, mas perdeu a final para o Uruguai por 2 a 1. A culpa pela derrota foi atribuída aos três jogadores negros em campo. “Quando o brasileiro acusou Barbosa, Juvenal e Bigode, acusou-se a si mesmo”, escreveu Mário Filho no livro “O Negro no Futebol Brasileiro”. A frase do jornalista descortinava o racismo por trás da acusação contra os jogadores na época em que o mito da mestiçagem se fazia presente. Este discurso da fragilidade do negro, repetido por décadas, criou uma mística negativa para os goleiros que ainda habita o imaginário. De Barbosa até a Copa do Mundo de 2018, apenas três goleiros negros foram titulares da seleção brasileira em Mundiais. Manga, em 1966, Dida em 2006, e Jefferson em 2014.

Alguns anos depois, durante a ditadura militar brasileira surge o maior artilheiro do Atlético Mineiro, José Reinaldo, que comemorava seus gols cerrando o punho para o alto, assim como Smith e John Carlos, e não foi diferente na estreia do Brasil na Copa de 1978 na Argentina, que também vivia sob regime militar. Preocupação antes mesmo de embarcar, o jogador – famoso pelas comemorações de cunho político – revelou em sua biografia “Punho cerrado: a história do Rei”, que ao receber a visita, com a presença dos outros jogadores e comissão técnica (toda formada por militares), do presidente Ernesto Geisel, foi lhe dito “Vai jogar bola, garoto. Deixa que política a gente faz”. Mas assim como muitos dos nossos, ignorou a ameaça por pensar em tudo que deveria ser denunciado. E não deu outra, além de isolado, deixou de ser convocado e passou a ser perseguido.

Assim como Reinaldo, o ex-jogador Aranha, goleiro do Santos na época, também sofreu boicote ao denunciar o racismo. O atleta foi chamado de “macaco” por torcedores do Grêmio durante uma partida da Copa do Brasil, em 2014. Câmeras de televisão flagraram as ofensas, e o clube gaúcho foi excluído do torneio. Três semanas depois do episódio, os times voltaram a se enfrentar, e o goleiro foi vaiado durante toda a partida na Arena do Grêmio. Na época, em entrevista para uma rádio gaúcha, o ex-presidente do Grêmio Luiz Carlos Silveira Martins, defendeu o clube e acusou Aranha de fazer “cenas teatrais” após ouvir um “gritinho”.

marinasa

Frente Nacional Antirracista se reuniu com a CBF em dezembro de 2020 para apresentar programas de combate ao racismo. Foto: Mariana Sá/CBF

Dados do Observatório da Discriminação Racial do Futebol mostram que entre os anos de 2014 a 2019 houve um aumento de 235% no número de casos de preconceito envolvendo jogadores de futebol brasileiros no país. Em escala mundial, um estudo da Kick It Out, organização de inclusão e igualdade racial do futebol inglês, revela o crescimento de 53% dos casos no futebol europeu na temporada 2019-2020.

O garoto Moise Kean escutou de Bonucci, seu companheiro de time, que tinha “50% de culpa” depois de sofrer xingamentos racistas ao comemorar um gol. O treinador Mano Menezes insinuou que a reclamação do jogador rubro-negro Gerson seria “malandragem” depois que o atacante saiu inconformado ao ouvir uma fala racista do adversário Ramirez. O brasileiro Serginho chamado de “macaco” em partida pelo Campeonato Boliviano ouviu de um comentarista que: “jogadores sabem onde estão se metendo” ao escolher a carreira nos gramados.

Movidos pelas ações de boicotes e manifestações contrárias ao racismo nas principais ligas norte-americanas citadas no começo do texto, e na Fórmula 1 com Lewis Hamilton, a onda chegou ao campo futebolístico. Lugar de difícil acesso pelos inúmeros interesses comerciais das TV e as blindagens de empresários, gestores, técnicos e presidentes, o futebol mundial que é tomado desde o início pelos símbolos de ódio: racismo, homofobia, xenofobia e intolerância religiosa, começou a mudar.

Richarlison, atacante do Everton (ING) passou a se manifestar pelas redes sociais. Rony, atacante do Palmeiras, ajoelhou em campo, levantando o braço com punho cerrado. O coro foi engrossado por Paulinho, do Bayer Leverkusen; Gregore, do Bahia; Jean Pyerre, do Grêmio; e Lucas Santos, do Vasco. E mais uma vez chorei com o futebol, agora não pela vitória do meu time, mas pela história que estão escrevendo e eu posso contar que vi. A paralisação do jogo entre Istanbul e PSG pela Champions League foi o símbolo mais importante da luta antirracista no futebol em 2020. Os dois times se retiraram do campo após o integrante da comissão técnica Pierre Webo acusar o quarto árbitro Sebastian Coltescu de racismo. Neymar e Mbapé, do PSG, e Demba Ba, do Istanbul, lideraram a saída dos jogadores de campo.

Eu queria terminar o texto com alguma frase de efeito como “com racismo não há futebol, sem democracia não há esporte”, mas nós sabemos que não é bem assim que as coisas funcionam na prática, infelizmente. E é por isso que enfrentar o racismo é uma missão social, coletiva e civilizatória, não um fardo que apenas as pessoas e personalidades negras devem carregar ou ação de marketing. Em 2021, frases como “somos todos iguais” precisam sair do vocabulário para dar espaço às ações. A mudança não vai acontecer se partir exclusivamente de jogadores negros.

Levantar a voz e boicotar jogos não é suficiente, visto que o poder de decisão tanto contra os casos de racismo quanto uma campanha de combate ao racismo estão nas mãos dos dirigentes, donos dos clubes, presidentes das federações, e da Justiça Desportiva. É a partir desse contexto que a Frente Nacional Antirracista se reuniu com a CBF em dezembro de 2020 para apresentar programas de combate ao racismo, que incluía: campanhas publicitárias, ações afirmativas para a inclusão de negros no mercado de trabalho do futebol e projetos de formação antirracista, entre outras medidas. Será que agora veremos mudanças efetivas no esporte mais amado pelos brasileiros?

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com