fbpx
 

A discriminação racial cotidiana vivenciada pela população negra mostra cada dia que é um estressor ligado ao desenvolvimento de problemas de saúde e uma importante explicação para as diferenças de saúde entre pretos e brancos

Texto: Suiane Costa Ferreira | Imagem: Reprodução

Em Salvador, ano de 2018, os casos de diabetes em pessoas negras representaram 72% das mortes pela doença, comparada com 20,5% dos brancos. Em relação às doenças hipertensivas, 74,5% das mortes foram de pessoas negras, em comparação com 19% de pessoas brancas (NEGRAS, 2020). A hipertensão e a diabetes são mais prevalentes entre os negros no Brasil e são as principais causas para as altas taxas de mortalidade cerebrovascular (por infarto agudo do miocárdio e acidente vascular cerebral, por exemplo).

No desenvolvimento e controle da hipertensão e da diabetes existem fatores modificáveis relacionados à alimentação, sedentarismo, sobrepeso e uso correto de medicação, que devem ser motivo de atenção para um melhor autocuidado. Nesse contexto, é possível pensar que a população negra por ter piores condições de moradia e de trabalho, com baixas condições sanitárias, com menor renda e pior acesso aos serviços de saúde, somam diversos indicadores de vulnerabilidade que aumentam seu risco para hipertensão e diabetes.

Contudo, estudos recentes mostram que quando a população negra tem seu status socioeconômico igualado ao da população branca, ela continua apresentando diferenças na saúde, sugerindo que a pobreza por si só não pode explicar as diferenças dos problemas de saúde entre pretos e brancos.

O estresse crônico causado pelo racismo cotidiano vem sendo apontado como um ponto chave a ser investigado. Muitas pessoas se adaptam a viver com eventos estressantes sistemáticos. Porém, mesmo depois da adaptação psicológica à tensão de longo prazo, alterações fisiológicas podem continuar a afetar o bem-estar físico e psicológico.

A restrição à moradia, segregação e escassez de oportunidades econômicas, e acesso à participação social limitada produz estresse crônico na população negra, mas, além disso, existem as micro agressões diárias e a internalização de estereótipos negativos que também devem ser considerados (Mata e Pelisoli, 2016). Dessa forma, é possível argumentar que os eventos racistas provocam tensão, alterações fisiológicas e danos na saúde mental.

Pesquisas científicas dos últimos anos mostram que o estresse crônico relacionado às experiências do racismo conduz a:

- disfunção do eixo hipotálamo-hipófise e mudanças metabólicas secundárias que contribuem para comorbidades como diabetes tipo 2, hipertensão arterial e doenças cardiovasculares (Ajilore e Thames, 2020);

- resistência à insulina, onde vivenciar adversidades na infância bem como exposições ao racismo percebido na vida adulta são fatores de estresse que ajudam a compreender as disparidades raciais na glicorregulação, com a população negra apresentando mais dificuldade de controlar a glicemia (Fuller-Rowell et al, 2019);

- aumento de citocinas pró-inflamatórias e diminuição de respostas antivirais inatas, contribuindo para disparidades raciais nas taxas de doenças crônicas relacionadas à inflamação, como doenças cardiovasculares, neoplásicas e neurodegenerativas (Thames et al, 2019).

- envelhecimento celular prematuro, onde a discriminação racial percebida é associada a menor comprimento dos telômeros de leucócitos nos negros, o que mostra um envelhecimento precoce do sistema imunológico, bem como envelhecimento geral do organismo, associando-se a vários problemas relacionados a este envelhecimento como as doenças cardiovasculares, síndrome metabólica, osteoporose, osteoartrite, declínio cognitivo e mortalidade (Chae et al, 2020).

A discriminação racial cotidiana vivenciada pela população negra mostra cada dia mais ser um importante estressor ligado ao desenvolvimento de problemas de saúde, inflamação crônica e envelhecimento celular prematuro e uma importante explicação para as diferenças de saúde entre pretos e brancos.

Esses dados mostram que lutar contra o racismo estrutural no Brasil não se trata de uma pauta exclusivamente identitária, ligada ao pertencimento a um grupo específico e ao exercício de uma subjetividade. Paulo Ramos (2019) em seu artigo afirma que definir os movimentos sociais como identitários é limitar o movimento a apenas uma de suas facetas, a chamada identidade, àquela gama de características que lhe dá sentido de grupo, negando todas as outras características, sociais, políticas, históricas e conjunturais.

A luta antirracista não se circunscreve a um debate superficial sobre quem pode ou não usar tranças e turbantes ou de promover campanhas oportunistas nas redes sociais. Lutar contra o racismo significa efetivamente lutar pela sobrevivência da população negra, incluindo forçar o debate racializado na área da saúde, entendendo como o racismo opera e mata para além da bala da polícia, se escamoteando na falsa ideia da oferta de um cuidado de saúde adequado para todos a partir de políticas públicas generalistas.

Sem conhecimento das reais repercussões fisiológicas do racismo no corpo preto, como produzir um melhor cuidado para esta população?

Suiane Costa Ferreira é enfermeira, pesquisadora, professora e doutora em Educação.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com