fbpx
 

A deputada estadual do Rio de Janeiro, Mônica Francisco, analisa o racismo nos recentes casos de violência policial que atingiram a população negra e que se refletem nas estatísticas sobre segurança pública

Texto: Mônica Francisco | Imagem: Ascom/Mônica Francisco

Não faltam casos. E, para mostrar que não, vimos as cenas das botas da Polícia Militar sobre o pescoço de uma mulher negra, de 51 anos, na periferia da cidade de São Paulo. Aquelas botas, pisando o pescoço, dizem muito sobre esse momento contínuo – de violações – e sombrio que vivemos no país.

Momento que uns vivem mais que outros, um jovem negro é morto a cada 23 minutos. Foi também em São Paulo que um empresário branco, morador de um condomínio de luxo, no Morumbi, desacatou a polícia. Ele não teve o pescoço pisado, ele não foi imobilizado, não foi derrubado, não ganhou uma gravata.

A mulher, periférica e pobre, trabalhadora, falou com o policial, defendendo um amigo que era espancado. Ela apanhou, teve o osso da perna quebrado com um chute. Ela foi pisada no pescoço. O policial apoiou o peso dele sobre o pescoço da mulher. O rosto dela foi esfregado no asfalto enquanto era algemada. Não são casos isolados: todas as pessoas assassinadas pelo braço armado do Estado em cinco cidades do Rio de Janeiro eram negras, entre elas mulheres e crianças, mostra o Mapa da Desigualdade da Casa Fluminense. São práticas constantes da política genocida executada pela polícia, sempre blindadas pela impunidade dos agentes da lei.

Foi outro dia que um policial pressionou seu joelho para manter a face da mulher negra no chão, para destruí-la, para dizer que ela não pode manter a cabeça erguida, para dizer que ela não pode falar nem ocupar espaços de poder. Foi outro dia que Claudia Silva Ferreira foi arrastada, enlameada, assassinada e seus algozes nunca foram punidos. Não faltam abordagens violentas. O recado é claro. Que a polícia não trata todo mundo igual, sabemos. Não são despreparados, não é falta de reciclagem ou de treinamento. Tanto não é que o empresário, mesmo agredindo o policial, não sofreu nenhum dano e teve sua integridade física mantida.

É racismo mesmo! É a certeza que para a estrutura, a vida negra e pobre vale menos. Ou não vale nada. A polícia e suas sucessivas violações não querem se submeter às reivindicações de civilidade e respeito aos direitos. Negros e negras são as principais vítimas de violência no país.

O relatório da Rede de Observatórios da Segurança do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania (Cesec), do período de maio de 2019 a junho de 2020, aponta que a taxa de homicídios no Brasil, uma das mais altas do mundo, é de 28 por 100.000 habitantes: “Entre os jovens negros do sexo masculino, na faixa de 19 a 24 anos, a taxa é de mais de 200 a cada 100.000 habitantes. Os negros são 75% dos mortos pela polícia. A desigualdade inaceitável desses números revela o racismo nosso de cada dia”.

Mesmo com toda comoção causada pelo assassinato de George Floyd, no final de maio, nos Estados Unidos, seguimos assistindo os casos que não são isolados. Em São Paulo, no Rio, na Bahia, e em todo lugar desse país, constituído sobre a barbárie da escravidão. Sobre a servidão de um povo. A escravidão é nosso berço, como diz Jessé Souza: “Nossa forma de família, de economia, de política e de justiça foi toda baseada na escravidão”.

São essas bases, que também sustentam a barbárie, que formam essa barbárie precisam acabar. Não haverá Brasil para todos enquanto forem usados coturnos e joelhos sobre os pescoços que já foram acorrentados. É preciso reação constante. O ato de pisar pescoços, assim como a asfixia de Floyd, é o recado claro dos que querem silenciar as vozes de um povo que, acreditam, não pode ter a cabeça ereta. A dignidade refletida em um corpo altivo, que além de trabalhador, é dono da própria história e identidade.

Essa história não será apagada na sola do sapato. Ninguém mudará a história daquela mulher, pisada no pescoço. Uma viúva, com cinco filhos e dois netos que trabalhava para se sustentar. Ela, como a maior parte das mulheres negras, é a responsável pela sobrevivência da família, na luta constante para se equilibrar na linha da pobreza. É isso que confirma a Síntese dos Indicadores Sociais (IBGE): 63% das casas chefiadas por mulheres negras no Brasil vivem abaixo da linha da pobreza.

Durante a pandemia do coronavírus, são as mulheres negras as mais impactadas pela pandemia, por serem maioria no trabalho doméstico e minoria em boa parte dos serviços essenciais. E, nesse contexto, é que ela conta: “Ele me empurrou na grade do bar, me deu três socos, me deu uma rasteira para me derrubar, ele quebrou minha tíbia”.

Mônica Francisco é deputada estadual e vice-presidente da Comissão de Combate às Discriminações e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião e Procedência Nacional da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com