fbpx
 

bannerlimpo

O racismo estrutura a cultura e toda sorte de relações simbólicas e materiais que ela comporta. A produção midiática hegemônica opera com signos racistas e a desnaturalização destes símbolos sempre ficou a cargo dos movimentos negros e antirracistas

Texto: Bruna Rocha e Cássio Santana | Imagem: Reprodução

Os estudos da Semiótica têm origem na produção científica dos países nórdicos, tendo na produção de Ferdinand de Saussure e Charles Sanders Peirce marcos fundamentais que influenciaram a construção de um campo em torno do estudo dos signos. A Comunicação, a Cultura e a Literatura foram as áreas de conhecimento fundamentalmente beneficiadas pelo surgimento da nova ciência que se propôs a analisar a dinâmica dos signos na produção de sentido e na construção de linguagens que mediam o mundo social.

O racismo é um processo histórico estrutural (ALMEIDA, 2019) que divide socialmente as pessoas a partir do fenótipo, atribuindo-lhes valor moral baseado em relações de poder. O racismo foi a base ideológica do escravagismo, cujo modelo disseminado e transformado em matriz econômica da experiência colonial é a herança direta das democracias modernas. Por isso, as formações sociais e discursivas (FOUCAULT, 2008) do racismo seguem operando mesmo na república e se reproduz nas relações individuais mas, sobretudo, nas circunstâncias sociais de profunda desigualdade e violência para pessoas negras e não-brancas.

Enquanto processo histórico, o racismo estrutura também a cultura e toda sorte de relações simbólicas e materiais que ela comporta. Neste sentido, a produção midiática hegemônica opera com signos racistas e a desnaturalização destes símbolos sempre ficou a cargo dos movimentos negros e antirracistas.

Na academia, as ciências sociais vêm se debruçando sobre o tema, assim como os Estudos Culturais, especialmente a partir da contribuição de Stuart Hall. Acreditamos que a pesquisa em Semiótica pode e deve se engajar mais na investigação dos fenômenos culturais racialmente determinados, pois dispõe de ferramentas importantes para o manejo das complexidades e diversas camadas que o racismo apresenta, especialmente no Brasil, onde sua principal forma social é conhecida por “mito da democracia racial”.

Racismo em signos: caminhos para a desconstrução dos sentidos

Pensamos a discussão sobre o signo triádico de Peirce à luz dos estudos sobre representação, estereótipos e imagens de controle, respectivamente realizados por Hall (2016), hooks (2019) e Hill Collins (2016). Recorremos à exemplos de representações midiáticas para ilustrar as múltiplas camadas com que o racismo estrutura o imaginário social, suas nuances e complexidades.

A relação dinâmica e móvel entre objeto, representamen e interpretante parece-nos uma chave analítica para aprofundar o estudo sobre os processos de significação que estruturam os estereótipos, as imagens de controle e as representações. Parte-se do pressuposto que a desconstrução do racismo e o seu combate político não pode prescindir destas ferramentas teóricas e analíticas que a Semiótica pode oferecer.

Neste sentido, nosso trabalho não apenas busca chamar a atenção do campo da pesquisa semiótica para a centralidade do problema teórico e político do racismo, como também representa um esforço em convidar a comunidade negra e os movimentos antirracistas a se apropriarem dos estudos semióticos no sentido de qualificar o debate público de combate ao racismo.

O cotidiano, enquanto dimensão fundamental da vida social, é um objeto imprescindível para pensar o funcionamento semiótico do racismo. É no cotidiano que as violências, legitimadas e institucionalizadas nas estruturas, operam a manutenção da desigualdade racial. Por outro lado, existem tensões e resistências. Práticas sociais são, a todo momento, questionadas, e há reverberação na semiose, ainda que de maneira lenta e assimétrica.

Estas tensões proporcionam fissuras nas formações discursivas hegemônicas, abrindo brechas para a possibilidade de novas formações discursivas. O renascimento dos símbolos do movimento “Black Phanter” e toda a mobilização antirracista da contemporâneidade são exemplos disso, bem como todo o movimento pelos direitos civis nos anos 70. No entanto, outros desafios se impõem nos processos de disputa, desde a sofisticação da violência racial para formas aparentemente mais brandas, até a apropriação da pauta por setores conservadores e pelo grande Capital - movimentos que desidratam politicamente a luta antirracista, esvaziando-a em falas míticas que a transformam em mercadoria.

A importância da Semiótica para uma cultura antirracista

Ainda com os avanços, a luta antirracista segue enfrentando árduos obstáculos. Além do renascimento de ideologias ultraconservadoras representadas sobretudo pelos governos do Brasil e Estados Unidos, o fenômeno da dataficação e o poder cada vez mais incontornável dos algoritmos tem prejudicado muito a correlação de forças sociais, políticas, econômicas e simbólicas para os movimentos progressistas pró-direitos humanos e igualdade racial.

O mesmo ambiente - a internet - que viabiliza a emergência de vozes, narrativas e movimentos contra-hegemônicos, inclusive a mobilização de campanhas antirracistas como a Black Lives Matter, também é cenário para o aprofundamento do capitalismo de dados e da reprodução de padrões racistas, sexistas e altamente perversos de estratificação social. A hierarquia segue consistente entre quem pode falar e quem não pode, a partir da desigualdade do alcance e da distribuição dos conteúdos disponíveis nas redes - isto sem falar na abissal desigualdade no acesso aos dispositivos e habilidades técnicas para lidar com o ambiente digital.

Pensar uma semiótica antirracista, portanto, vai além dos velhos problemas de construção do sentido nos textos midiáticos, e se depara com o desafio de lidar com uma sociedade cada vez mais mediatizada e mediada por estruturas não-discursivas - como os algoritmos. Além de um problema teórico potente e sub-explorado do ponto de vista semiótico, combater o racismo e todas as formas de desigualdade deve ser tomada como uma responsabilidade por toda a comunidade científica que se vê ameaçada pelo obscurantismo político e autoritarismo econômico do capitalismo de dados. Acreditamos que a Semiótica pode cumprir um papel estratégico e singular na conjuntura onde os discursos, as imagens e as linguagens ocupam, mais do que nunca, um espaço fundamental na mediação das relações de poder e nas disputas entre velhas e novas formas de vida.

Este artigo é um resumo do artigo científico produzido como sistematização do minicurso Racismo e Mídia no Brasil: uma abordagem semiótica, que será em breve disponibilizado para leitura. O curso é uma iniciativa da plataforma Semiótica Antirracista, com o objetivo de aproximar os conceitos e operadores teórico-metodológicos da Semiótica dos anseios e reividincações históricas dos movimentos antirracista, dos estudos sobre raça e gênero, sobretudo para pensar o racismo midiático e sua possível desconstrução.

Bruna Rocha é jornalista, mestra em Comunicação e Culturas Contemporâneas (UFBA), idealizadora e CEO da plataforma Semiótica Antirracista.

Cássio Santana é jornalista, doutorando em Comunicação e Culturas Contemporâneas (UFBA), um dos fundafores e CFO da plataforma Semiótica Antirracista.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com