fbpx
 

Vídeo fala sobre afetividade de mulheres negras, traz vermelho como ligação da ancestralidade e cenas das ruas de Salvador

Texto: Guilherme Soares Dias* | Imagem: Divulgação

Bom Mesmo é estar debaixo d’água, novo CD de Luedji Luna, vem acompanhado de um álbum visual que traz a cantora baiana fazendo sua própria versão de black is king, da cantora Beyoncé. A diretora do álbum, Joyce Prado, que acompanha Luedji desde o primeiro CD e clipes diz que a inspiração foi Lemonade. Em “Bom Mesmo” sai a oncinha, as cenas pela savana africanas e mansões e entram o vermelho, o mar e as ruas de Salvador no pós-carnaval.

Luedji fala de amores e desamores e se conecta as divas de outros países ao entender que hoje o consumo da música também está atrelado à imagem. Apesar de ter letras fáceis como a da música título do disco, Luedji não busca o pop, mas faz discos conceituais como da rainha do pop norte-americano.

Parte do álbum foi gravada na quarta-feira de cinzas no Pelourinho, em Salvador. Há cenas em que Luedji interpreta a pomba gira gravadas no samba de roda para exu. A música é sobre desamores e diz “você vai me pagar, vou lhe rogar uma praga, vou lhe fazer um feitiço”. A afetividade exala das cenas e da boca da cantora.

“Esse projeto me ensinou muitas coisas sobre autoestima, autoconhecimento, afetividade da mulher negra consigo. Afinal, a sociedade faz termos uma relação ruim com nossos corpos e com a nossa vida”, afirma Joyce Prado. Essa premissa, segundo ela, é que faz não permitir estar em relações abusivas. “É algo que precisa estar dentro de nós antes de tudo”, ressalta.

Luedji diz que a intenção do CD é justamente trazer de volta a humanidade das mulheres negras. “Há apagamentos de vivências amorosas e afetivas. É muito difícil de ver retratado na cinematografia a mulher negra sendo amada, sendo musa, falando em primeira pessoa. Quero construir esse imaginário”, reivindica. E para quem conhece Luedji mais de perto sabe que ela ama intensamente, dança livremente no carnaval e desama com fervor.

Tudo isso é retratado nas músicas e imagens. Isso faz com que o álbum traga um realismo mágico e seja poético e certeiro, assim como o CD. Ele avança em relação a trabalhos já realizados pela cantora e diretora, trazendo referências dos trabalhos anteriores, mas mais maduro e tradutor da identidade tanto de Luedji quanto de Joyce. Começa mostrando uma fragmentação. Não vemos o rosto da cantora e vamos construindo sua imagem por meio de partes do seu corpo. Depois ela sai ao carnaval maquiada, meio que tentando responder a sociedade a necessidade de ser bela e corresponder o que as pessoas querem.

Quando ela se olha no espelho e vê que seu rosto, quadril e corpo não vão corresponder aos padrões se revolta a tudo que se submete e busca se adequar. “É um padrão que não pensa, nem acolhe elas, repensa o que está correspondendo e a expectativa que quer cumprir”, diz a diretora do álbum.

A pomba gira ou padilha mostra a sensualidade, os sentimentos, conflitos, abre caminhos para que nasça, reveja e ame de maneira diferente. No fim, a cantora aparece cercada de outras mulheres negras, todas retintas, e troca a roupa vermelha pela branca, mas a cor do sangue é a mesma do fio que as une. Cercada da própria imagem em outras mulheres, começa a se rever de maneira carinhosa.

Estar debaixo d’água para a Luedji do álbum é estar submersa e envolta de amor que mulheres pretas conseguem estimular uma entre as outras. É a cumplicidade entre pessoas pretas. As músicas e o álbum visual trazem a possibilidade de olhar para dentro da comunidade preta, com todas as complexidades que têm e suas relações amorosas. “O final é sobre minha mãe, avó, bisa, o desejo de falar mais, uma vez que comunicação é tão difícil”, considera Joyce, emendando: “Quando a mulher negra vai para debaixo d'agua se entende como comunidade, fala sobre sentimento e construção de liberdade”.

Sai, portanto, a oncinha como símbolo de ancestralidade e entra o vermelho, que é sangue e afeto, dor e amor. Além de exu, o álbum remete a iansã e mostra a relação materna com o útero, já que todos nós um dia estivemos debaixo d’água. Há o desejo de retornar para essa água e o vermelho é o elemento que nos liga e remete à simbologia imagética.

Tão mágico e afetuoso que nem todo mundo capta a universalidade da obra da cantora e da diretora. Ao responder sobre publicar esse texto sobre o álbum visual uma editora de um veículo da imprensa disse: “Apesar de maravilhosa, Luedji Luna não conversa com nosso público, que é mainstreamzão”. Talvez o meio em questão não seja lido por mulheres, ou melhor, mulheres negras, em geral. Pois se fosse saberiam e entenderiam de pronto que bom mesmo é estar debaixo d’água, escutar e ver Luedji Luna.

* É jornalista, editor do Guia Negro, repórter do Alma Preta e, segundo a cantora, falso baiano.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com