fbpx
 

Na data em que marca os 140 anos de João Cândido, líder da Revolta da Chibata, o especialista em Educação, Ricardo Corrêa, analisa como a resistência dos negros faz parte da história do Brasil

Texto: Ricardo Corrêa | Imagem: João Cândido/Domínio público

“Naquela noite o clarim não pediria silêncio e sim combate.”
− João Cândido

Incrível como seguimos a tradição de supervalorizar as narrativas e as práticas que surgem nos países imperialistas e ignoramos as histórias de resistência que ocorreram dentro da sociedade brasileira. O assassinato brutal do afro-americano George Floyd por um policial branco, em Minneapolis, desencadeou enormes protestos nos Estados Unidos e se espalhou por outros países. Isso tem provocado diversos debates sobre o racismo estrutural, que influencia diretamente no genocídio da população negra, como alertou a jornalista e doutora em comunicação Rosane Borges. “É preciso que com esses episódios a gente deixe de encarar o racismo como um fenômeno, um episódio, e encarar ele como algo estrutural. Nós como sociedade brasileira temos que reconhecer que o racismo faz parte do cotidiano em ações letais, como o racismo polícia.”

No Brasil, alguns protestos aconteceram e a imprensa resolveu dar maior atenção ao tema com entrevistas, documentários e denúncias. Nesse contexto, observamos a insistência na comparação entre os movimentos negros afro-americanos e afro-brasileiros. As indagações buscam respostas sobre o porquê de os afro-brasileiros serem “pacíficos” em comparação com os afro-americanos, mas esses questionamentos são totalmente inadequados. As construções históricas, desde a escravidão até as particularidades do racismo como prática social, são muito diferentes. A resistência dos negros na cultura brasileira sempre esteve presente. Assim sendo, rememorar o legado de João Cândido é uma oportunidade de desconstruir o pensamento de que somos pacíficos.

Há 140 anos nascia o Almirante Negro

João Cândido Felisberto nasceu em uma fazenda no município de Encruzilhada do Sul, no Rio Grande do Sul, no dia 24 de junho de 1880. O país estava ainda sob o período escravagista, mas por causa da Lei do Ventre Livre não foi escravizado. Aos 14 anos de idade, entrou para o Arsenal de Guerra do Exército, depois esteve na Escola de Aprendizes de Marinheiros e em seguida foi enviado para a 16ª Companhia da Marinha, onde permaneceu até a expulsão. Todo esse processo durou 15 anos, com avanços e retrocessos na carreira militar.

Naquela época, a chibatada era uma das práticas punitivas e o tratamento dispensado aos marujos carregado de humilhações: péssima alimentação, baixos soldos e castigos desumanos. Cabe ressaltar que os negros eram a maioria dos marujos, e a negação da humanidade desses homens estava muito presente, decorrente da mentalidade escravista da recente abolição da escravidão (1888). No entanto, a despeito dos obstáculos, João Cândido adquiriu vasto conhecimento e habilidades durante o tempo em que esteve na Marinha, conheceu litorais brasileiros e navegou por alguns continentes.

Os acúmulos de recorrentes violências estimularam a revolta dos marujos. Depois de algumas reuniões estratégicas, organizaram-se e, entre os dias 22 e 27 de novembro de 1910, dois mil e trezentos marujos tomaram quatro navios de guerra. Os revoltosos apontaram os canhões para o Rio de Janeiro, na época, capital do Brasil. Eles exigiam a abolição dos castigos corporais e caso não fossem atendidos provocariam um bombardeio na capital. O governo do marechal Hermes da Fonseca não encontrou alternativa e cedeu aos marujos. Chibatadas na Marinha, nunca mais! O episódio ficou conhecido como Revolta da Chibata.

João Cândido foi reconhecido pelos pares como líder da revolta, e a alcunha de Almirante Negro surgiu em meio aos noticiários. De alguém desconhecido, tornou-se o nome mais comentado na sociedade angariando admiradores e desafetos. Apesar da vitória dos marujos, a suposta anistia acordada pelo governo resultou em repressão aos rebelados: expulsões, prisões, trabalho escravo, etc. O Almirante Negro foi colocado em condições degradantes como prisioneiro na Ilha das Cobras, Baia da Guanabara, e submetido a violências, ausência de água e alimentos. Depois de sobreviver ao sofrimento, foi considerado louco e internado no Hospital Nacional dos Alienados, retornando à prisão meses depois. Em 30 de dezembro de 1912, teve a liberdade concedida, entretanto, foi excluído dos quadros da Marinha.

A vida de João Cândido seguiu permeada por dificuldades econômicas, tragédias familiares e olhares enviesados que ainda o considerava subversivo, conforme relatou ao Museu da Imagem e do Som (1968). “E daí para cá, caí na penúria, no ódio. Passei a viver na vida civil. Muito perseguido pela Marinha”. João Cândido foi casado por três vezes e teve onze filhos. Em 6 de dezembro de 1969 esteve hospitalizado no Hospital Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, e faleceu acometido por um câncer no intestino.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MOREL, Marco. João Cândido e a luta pelos direitos humanos. Livro fotobiográfico. Brasília: Fundação Banco do Brasil, 2008. v. 1.

* Ricardo Corrêa é especialista em Educação Superior pelo Instituto Federal de São Paulo.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com