fbpx

A estilista Anifa Mvuemba assinou a coleção de um desfile virtual e marcado pelas convicções políticas

Texto / Flávia Ribeiro | Edição / Simone Freire | Imagem / IG@hanifaofficial 

A República Democrática do Congo esteve no centro do mundo da moda com um desfile inovador em vários sentidos. A coleção Pink Label Congo foi apresentada em um desfile virtual e em 3D, pela grife Hanifa. A computação gráfica garantiu que as roupas flutuassem pela passarela trazendo a história e a cultura do país africano. "Crivada de uma história dolorosa, a beleza do Congo é muitas vezes inexplorada e negligenciada”, diz Hanifa Mvuemba, estilista e responsável pela grife.

Criada em 2012, a Hanifa já era conhecida por inovar. Disponibilizava peças em tamanhos que abrangem o plus size, antes de grandes marcas. Agora, em tempos de pandemia, a grife trouxe o primeiro desfile virtual do mundo da moda. A coleção foi apresentada em um vídeo de pouco mais de 14 minutos, que também inovou por ser postado diretamente nas redes sociais e já disponíveis no site da empresa.

destaque haniba

O desfile mostrou ainda que a moda pode ser política. No vídeo, a estilista fala do seu país, de belezas e também dos conflitos pela extração (ilegal) de minério no Congo. “A gentileza, beleza, história, equilíbrio, majestade, força, poder e esperança do espírito congolês inspiraram esta coleção. Ao criar cada peça, lembrei-me das histórias que minha mãe me contou sobre as mulheres que conhecia no Congo”, afirma Mvuemba.

bannerhorizontal

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com