fbpx

Há dificuldades na compra, distribuição e armazenamento das vacinas para campanha de imunização; países africanos já bateram a marca de mais de 2,2 milhões de infectados pelo novo coronavírus

Texto: Redação I Edição: Nataly Simões I Imagem: Hakan Nural/Unsplash

Alerta geral das mídias nacionais e internacionais aponta entraves em todo o processo de campanha de imunização contra a Covid-19 nos países do continente africano, desde a compra à aplicação das vacinas em todo o território. De acordo com dados levantados pela agência de notícias britânica Reuters, a África já registrou mais de 2,2 milhões de casos do novo coronavírus.

Mesmo com a COVAX, iniciativa tomada em abril de 2020 pela Comissão da União Europeia, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e a França, com objetivo de garantir equidade no acesso às vacinas, informações da agência de notícias DW dão conta de que especialistas temem que a pré-encomenda de milhões de vacinas por países ricos prejudique o acesso dos 46 países africanos ao apoio financeiro para a imunização. 

Ainda segundo informações da agência, são poucas as opções de vacinas a serem adquiridas. O problema gira em torno da continuidade do surto da doença, que já apresenta piora em várias partes do continente com o aumento desenfreado de casos. Uma nova variante do vírus - diferente da do Reino Unido - já foi encontrada por cientistas na África do Sul.

De acordo com relatório apresentado pela União Africana ainda em dezembro, só a África do Sul, país mais atingido pela doença no continente, já apontava mais de 1,09 milhão de casos confirmados de Covid-19 e 29.175 mortes.

É o presidente do país sul-africano que representa, atualmente, a União Africana nas decisões tomadas sobre a campanha de imunização no continente. De acordo com informações passadas pela mídia internacional Bloomberg, Cyril Ramaphosa sofreu fortes críticas sobre sua atuação. Na África do Sul, a sua gestão só conseguiu comprar doses suficientes para 10% da população e a previsão de chegada ficou só para o segundo trimestre de 2021.

A especialista em cadeias de distribuição da UNICEF, Michelle Seidel, aponta mais problemáticas a serem adicionadas no cenário de saúde do continente nos próximos semestres, afirmando desafios nas condições de armazenamento e distribuição das vacinas. "Prevemos que os problemas surjam particularmente em torno do armazenamento e distribuição destas vacinas específicas, a muito baixas temperaturas, 70 graus negativos. E nas necessidades energéticas, uma vez que os congeladores de temperaturas ultra-baixas requerem geradores e combustível de reserva. Vai ser um grande desafio", relatou, em entrevista à Bloomberg.

Em coletiva de imprensa no último mês de 2020, o chefe do Centro de Controle de Doenças da África, John Nkengasong, informou que o mundo poderia esperar uma “catástrofe moral” caso a campanha de imunização fosse adiada no continente pelo acesso privilegiado de regiões mais ricas à vacina. 

Nkengasong ainda ressaltou o perigo da não extinção total do vírus nas comunidades africanas. Segundo ele, caso o atraso ao acesso das vacinas contra a Covid-19 demorar de quatro a cinco anos, o vírus será endêmico em várias regiões.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com