fbpx

Orgão internacional estima que 44 milhões correm o risco de serem contaminadas no continente

Texto: Guilherme Soares Dias | Edição: Simone Freire | Imagem: Frank Dejongh/Unicef

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou um estudo que mostra que, se a pandemia de Covid-19, o novo coronavírus, não for controlada, podem morrer entre 83 mil e 190 mil pessoas por causa da doença na África.

Baseado em um modelo de previsão, o estudo divulgado na quinta-feira (7) mostra que 44 milhões correm o risco de ser contagiadas no continente. A análise leva em conta 47 países africanos, com uma população total de um bilhão de pessoas, e revela também uma taxa de transmissão mais lenta e taxas de mortalidade inferiores às de outras partes do planeta, segundo informações da agência francesa Efe.

"Embora seja pouco provável que a Covid-19 se espalhe tão exponencialmente na África como em outras partes do mundo, é possível que exploda em pontos críticos de transmissão", declarou Matshidiso Moeti, diretora regional da OMS para a África, em entrevista coletiva virtual.

A probabilidade de o novo coronavírus chegar para ficar e de "um surto prolongado durante vários anos" são maiores, motivo pelo qual Moeti pediu uma "abordagem proativa" com testes, acompanhando, isolando e tratando os casos.

O estudo mostra ainda que o número de casos que exigirão hospitalização ultrapassa de forma considerável as capacidades médicas de muitos países. A projeção é que cerca de 3,6 milhões e 5,5 milhões de pessoas necessitarão de hospitalização, enquanto os leitos de unidades de terapia intensiva na maioria dos países são menos de 500.

A África do Sul tem mais de 3 mil leitos de UTI, mas a OMS advertiu que os países africanos têm uma média de nove. Segundo este estudo, entre 82 mil e 167 mil pessoas precisarão de oxigênio, mas 23 países africanos têm menos de 50 respiradores, e apenas dois — Marrocos e África do Sul — têm mais de mil.

Panorama

A Covid-19 já foi registrada em quase todos os países africanos, exceto no Lesoto. Até 7 de maio, mais de 51 mil casos tinham sido confirmados, além de 2.011 mortes, segundo anúncios governamentais e dados da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, reportados pela Efe.

Seis países acumulam a maior parte das mortes no continente africano: Argélia (473), Egito (469), Marrocos (183), África do Sul (153), Camarões (108) e Nigéria (103). Em número de casos confirmados, os países mais afetados são África do Sul (7.808), Egito (7.588), Marrocos (5.408) e Argélia (4.997), onde o governo instalou um hospital de campanha no acampamento de Chahid al-Hafed para atender as pessoas que vivem como refugiadas no deserto do Saara.

Em todo o mundo, os casos de coronavírus confirmados pela OMS chegaram a 3,93 milhões no domingo (10), após um aumento diário superior aos dias anteriores, com mais 94.932 notificações. As infecções nas Américas totalizam 1,65 milhões, quase o mesmo número da Europa, com 1,7 milhão. Já o número de mortes por Covid-19 no mundo aumentou para 274.488, pouco mais de 6 mil a mais que no relatório divulgado pela organização no sábado (9).

Além das mortes causadas pelo vírus, os impactos que a Covid-19 causa na economia pode trazer ainda mais perdas de vida, em especial em países com menores condições econômicas, como os do continente africano. A Comissão Econômica da ONU para a África, ECA, lançou em 17 de abril o relatório “Covid-19: Protegendo Vidas e Economias Africanas”, que associa os efeitos da pandemia a economias que já enfrentam dificuldades na região e que previa até 300 mil mortes no continente devido os impactos da doença. Isso porque além das mortes por Covid-19, previsões mais otimistas indicam que o crescimento econômico regional baixará de 3,2% para 1,8%, esperando-se que 27 milhões de pessoas possam cair na pobreza extrema.

Nesse sentido, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) emitiu um alerta ressaltando que as medidas de enfrentamento da pandemia irão piorar a pobreza e as vulnerabilidades de 2 bilhões de trabalhadores na economia informal. Em comunicado do dia 7 de maio, a agência da ONU disse que o aumento deve ser de 56% e 21%, em países de baixa e média rendas, respectivamente. Já nas nações de renda alta, o número de trabalhadores informais na mesma situação será de 52%.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com