fbpx

País tem quase 2 mil infectados pelo novo coronavírus e 13 mortes confirmadas; governo quer manter medidas restritivas e flexibilização negociada com o Congresso

Texto: Juca Guimarães I Edição: Nataly Simões I Imagem: Governo de Moçambique

Em Moçambique, no leste da África, foram confirmados 1.946 casos da Covid-19, o novo coronavírus, com 13 mortes. No país vizinho, a África do Sul, há mais de 511 mil infectados e 8.366 mortes. No Zimbábue, que também faz fronteira com o país moçambicano, são 3.921 contaminados e 70 óbitos.

O presidente de Moçambique, Jacinto Nyusi, prepara um novo pacote de medidas para conter a pandemia no país, após quatro períodos consecutivos de “Estado de Emergência”, limite máximo estabelecido pela Constituição do país.

Nos últimos quatro meses, o governo conseguiu manter sob controle a pandemia por meio de investimento em informação e controle das fronteiras. "Conseguimos atrasar a evolução da doença, ganhamos tempo para preparar o nosso sistema de saúde e fomos capazes de testar a disciplina e a criatividade do nosso povo", disse o presidente em comunicado à nação no dia 29 de julho.

Na terça, (4), o Congresso deve analisar o pacote de medidas proposto pelo governo para continuar a prevenção à Covid-19 e iniciar uma flexibilização da quarentena. Durante o Estado de Emergência, cerca que 4 mil moçambicanos foram detidos por descumprirem as medidas de distanciamento social.

Segundo o governo, cerca de 2 mil pessoas foram julgadas e condenadas a cumprir penas que variaram entre cinco e 80 dias de prisão, porém essas condenações foram convertidas em multas.

O governo pediu um empréstimo de 309 milhões de dólares (262 milhões de euros) para o Fundo Monetário Internacional (FMI) e outros 40 milhões de dólares (34 milhões de euros) para o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), este último aprovado em julho.

No relatório sobre as medidas de combate ao novo coronavírus, o governo afirma que gastou cerca de 68 mil milhões de meticais (cerca de 818 milhões de euros) com fornecedores de bens e serviços contratados durante o Estado de Emergência.

Impacto na economia

A pandemia afetou profundamente a economia do país moçambicano. De acordo com o governo, em 974 empresas, com um total de 31.227 trabalhadores, os contratos foram suspensos e os salários tiveram cortes graduais, ou seja, no primeiro mês o empregador pagou 75% do salário, no segundo 50% e, no terceiro, 25%.

Das 90.505 empresas existentes no país, segundo o presidente, 1.506 tiveram alguma alteração nos negócios por conta da pandemia e 21 fecharam as portas.

“O Governo continua a fazer o acompanhamento da situação das empresas para aferir o cumprimento das medidas que foram adotadas no âmbito do estado de emergência, a monitorizar o pagamento de salários e indemnizações aos trabalhadores cujos contratos foram rescindidos", diz um trecho do relatório.

Sem o Estado de Emergência em vigor, que terminou no dia 30 de julho, o governo de Moçambique vai ter que negociar com o Congresso alguma medida legal para garantir o cumprimento das regras de prevenção contra a doença.

O presidente Nyusi acredita que o pico da pandemia no país ainda não chegou. Em entrevista para a mídia alemã DW, a artesã Catarina Batista afirmou que a sua renda teve queda de 70%. “As pessoas estão gastando apenas com os itens de primeira necessidade, e mesmo para comprar o meu material de trabalho ficou difícil porque o comércio com a China está interrompido”, disse a trabalhadora, que faz decoração para festas.

O portal do governo de Moçambique anunciou nesta segunda-feira (3) de agosto, a realização de um estudo com seis mil pessoas para avaliar o avanço da doença no país. O levantamento será feito até o dia 21 de agosto.

 

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com