fbpx

Angola e África do Sul, por sul vez, devem registrar retração econômica por conta de impactos do coronavírus

Texto: Guilherme Soares Dias | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação/OMS

Moçambique conseguirá evitar uma recessão este ano, segundo a consultora Fitch Solutions. O país será o único da África Austral a conseguir crescer, de acordo com informações da Agência Lusa. O documento da Fitch afirma que a África Austral deve ser a sub-região africana com o mais fraco desempenho econômico na África tanto em 2020 quanto em 2021.

Nesse cenário, Moçambique deve ser a exceção com crescimento de 0,2%. Mesmo assim, o número é "o mais baixo das últimas três décadas". No segundo trimestre, o país teve queda de 3,3% na atividade econômica que, segundo a agência, deve ser compensado com a atividade no segundo semestre, com o levantamento das medidas de distanciamento social.

"A nossa previsão central é que a ausência de um confinamento total e o desenvolvimento do setor do gás natural liquefeito serão suficientes para manter o crescimento em território positivo em 2020", aponta a Fitch Solutions. Já em 2021 o crescimento econômico deverá aumentar para 3,6%. "O regresso das pessoas aos mercados deverá garantir mais lucros e investimentos na indústria dos serviços e do comércio", concluem os analistas.

A Angola, por sua vez, deve passar pelo quinto ano consecutivo de recessão. "O setor petrolífero continuará a ser o principal responsável pela atividade econômica, e os preços baixos do petróleo, a falta de grandes novos investimentos no setor e o cumprimento das metas da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) vão implicar declínios na produção, quer em 2020, quer em 2021". A Fitch Solutions estima uma contração econômica de 4% este ano e uma ligeira recuperação de 0,8% no próximo ano.

Na África do Sul, a pandemia do novo coronavírus está atingindo fortemente os setores de distribuição e comércio, vítimas do bloqueio, colapso econômico e medo do consumidor. O grupo Massmart, do gigante norte-americano Walmart, confirmou o "impacto significativo" da crise da saúde em seu faturamento semestral, que deverá cair cerca de 42%, segundo Agência France Presse.

De acordo com as projeções, os próximos meses se anunciam difíceis para o setor como um todo, cuja atividade representa 15% do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

A pandemia da Covid-19 já provocou pelo menos 26.289 mortes e mais de 1,1 milhões de infectados em 55 países do continente africano.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com