fbpx

A partir de 1 de outubro o país retoma visitação com novas regras de segurança por conta da Covid-19

Texto: Guilherme Soares Dias | Edição: Nataly Simões | Imagem: Divulgação

O presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, anunciou que as fronteiras internacionais serão reabertas a partir de 1 de outubro de 2020. Para garantir a segurança dos viajantes, serão feitos testes de temperatura, distanciamento social, higienização e uso obrigatório de máscaras.

Entre as condições para a abertura da fronteira estão: países considerados de alto risco serão restritos (a lista ainda não foi divulgada); apenas o Aeroporto Internacional da Cidade do Cabo, o Aeroporto Internacional King Shaka e o Aeroporto Internacional Tambo estarão abertos para voos internacionais. O número de postos de fronteira terrestre que permanecerão abertos será limitado.

Além disso, na chegada, os viajantes deverão apresentar um resultado negativo do teste Covid-19 com até 72 horas do horário da partida. Todos os viajantes serão examinados na chegada e aqueles que apresentarem sintomas deverão fazer um teste Covid-19.

Quando necessário, os viajantes precisarão entrar nas instalações de quarentena obrigatória por conta própria. Os viajantes serão solicitados a baixar o aplicativo Covid Alert South Africa Mobile. O Conselho Empresarial de Turismo da África do Sul (TBSCA, na sigla em inglês) desenvolveu um conjunto abrangente de protocolos que serão comunicados e distribuídos a todos os atores do turismo.

A mudança ocorre no momento em que o país entra em alerta nacional de lockdown "nível um", que começou no domingo (20), após uma redução significativa nas infecções de Covid-19. A África do Sul tem registrado uma média de menos de 2 mil casos do novo coronavírus por dia.

O turismo tem peso importante na economia do país. O governo sul-africano já elegeu o turismo como a segunda prioridade econômica, atrás apenas da mineração. Os investimentos fizeram com que Johanesburgo recebesse o maior número de pessoas do continente – a cidade tem o aeroporto que funciona como hub, um centro de distribuição, para a região. Em 2018, foram 10,5 milhões de turistas na África do Sul. O Brasil é o nono país que mais envia turistas para lá, sendo 70,5 mil em 2018.

No começo de setembro, o país organizou o quinto roadshow, sendo o primeiro online, para apresentar o destino para operadores turísticos brasileiros. Com o tema “A África do Sul vem até você”, empreendedores sul-africanos do turismo apresentaram seus produtos in loco, direto de reservas de safári, vinícolas, pontos turísticos. O evento foi organizado pela TI Comunicações, que representa o destino no Brasil.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com