Texto: Thamyra de Araújo / Foto: Divulgação

O projeto GatoMÍDIA hospedará em março uma residência em Mídia e Tecnologia: Favelado 2.0 – Construindo Gambiarras para o Futuro. Durante duas semanas, vinte jovens selecionados participarão de rodas de convivências nos seguintes temas: fotografia 2.0, roteiro para programa no youtube, construção de texto criativo, ativismo na web, cobertura colaborativa, mídia social, criatividade 2.0, fanzine 2.0, hackeando o facebook, elaboração de projetos e empreendimento de ideias. Durante a residência também será produzido pelos participantes um documentário sobre jovens inovadores do Brasil a partir da perspectiva da favela como um território fértil e inovador capaz de produzir soluções criativas para os problemas da cidade.

Se você é morador das favelas cariocas, entre 14 e 29 anos, você pode participar desse movimento. Os encontros serão no período da tarde, das 14h às 18h, no Complexo do Alemão, e oferecerão uma bolsa auxílio de R$ 500 para cada participante.

As rodas livres serão ministradas por uma equipe de favelados inseridos na cultura de rede e que desenvolvem projetos autorais em plataformas digitais. Entre os convidados está: João Lima, jornalista e fotodocumentarista, Mayara Donaria, Conselheira da Juventude do Rio de Janeiro, Marcelo Magano, ator e comediante, Raull Santiago, mídia ativista e integrante do Coletivo Papo, Thamyra Thâmara, jornalista e idealizadora do projeto GatoMÍDIA, Daiene Mendes, criadora do FaveLê, Luis Henrique, fotógrafo e integrante do Foto Clube Alemão, Thainã Medeiros, Meu Rio e Coletivo Papo Reto, Enderson Araujo, criador do coletivo Mídia Periférica e membro do Conselho Curador da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), Carla Siccos, editora do jornal virtual CDD Acontece, Ana Cipriano, criadora do PPG Informativo - Jornal Virtual do Pavão Pavãozinho e Cantagalo e Lucas Pelegrineti, design e animador.

A ideia é empoderar cada vez mais a cultura colaborativa na favela estimulando cada um a compartilhar conhecimento com outro, fortalecendo assim uma cultura de rede local de Favelados Conectados construindo seu próprio futuro.

GatoMídia Atividade coloca a juventude periférica em contato com as plataformas digitais

Sobre o GatoMÍDIA:  O GatoMÍDIA é um projeto de convivência e aprendizado em novas mídias para jovens de espaços populares, que existe desde 2013 no Complexo do Alemão, tendo como objetivo estimular que jovens e negros possam produzir sua própria comunicação, possibilitando diferentes narrativas, visibilidade e oportunidades. Conheça mais: http://migre.me/sS0KG

Sobre a Fundação Via Varejo: A Fundação Via Varejo é o braço responsável pelos investimentos da Via Varejo em ações que incentivam e promovam o desenvolvimento de colaboradores e também da sociedade. São três os pilares que estruturam as atividades incentivadas pela Fundação: Social, Cultural e Esportivo. Conheça mais: http://migre.me/sT8ac

Sobre o Common Action Forum: O Commun Action Forum (CAF) é uma fundação internacional sem fins lucrativos com sede em Madrid, Espanha, em 2015. CAF funciona como uma rede global que reúnem proeminentes e especialistas de diversas origens, incluindo academia, política, mídia, sociedade civil e cultura emergente. Uma fundação internacional que visa moldar soluções alternativas para os problemas sociais e políticos e as desigualdades econômicas, a fim de fortalecer a cidadania.Conheça mais:  http://migre.me/sT8n2

Texto: Laís Semis, para o Mês da Cultura Hip Hop Centro / Foto: Vinicius Martins

Baixada do Glicério recebeu seis horas de atividades culturais no primeiro dia de programação

28 de fevereiro - No cruzamento da Rua São Paulo com a Rua Sinimbu, na Baixada do Glicério, o trânsito foi interditado pra receber o primeiro dia de atividades do Mês da Cultura Hip Hip do Centro de São Paulo. A celebração de abertura do evento reuniu cerca de 20 atrações em seis horas de atividades.

O evento começou com discotecagem, grafitti e improvisos. Getô, o haitiano, foi o primeiro a assumir o microfone. Logo após, subiram no palco Fino DFlow, Xandão Cruz, Tiely Queen, Pretologia e Livia Cruz, que dividiu sua apresentação com Brisa Flow. E, empunhando livros como armas para questionar os estereótipos, Banks e Cérebro da Back Spin Crew trouxeram a poesia falada (Spoken Word) dos Slans. A discotecagem ficou por conta do DJ Edi e do DJ MS Pretologia.

A Cypher de Breaking reuniu não só as atrações Catatau, Aranha, Major, Ingrid e Tsunami All Stars, como foi tomada pela criançada que também arriscou alguns passos na roda. Enquanto isso, o graffiti rolava pelos muros e paredes dos casarões nas proximidades com Tota, Nene Surreal, e Oxil.

Como centro expandido, o Glicério interlocuta com o tema que guia o Mês do Hip Hop: a Diáspora Africana. Nas diásporas cotidianas que guiam a cidade, a região é uma das muitas negligenciadas pelo entorno. “Esse local foi escolhido para a abertura devido ao fato de ser um local muito carente aqui no Centro. Uma das partes mais pobres do Glicério, essa é uma das ruas mais carentes”, explica Parça JD, membro da produção do evento, nascido e criado nessa Baixada. “Aqui, as crianças não tem nada para curtir. Elas inventam, correm pra lá e pra cá, se arriscam no meio da rua, no trânsito, porque não tem uma distração. A gente trazendo esse evento já pega a atenção da molecada e mostra também uma outra opção de vida, porque o Hip Hop é um estilo de vida”, continua JD.

Para ele, as expectativas para o Mês da Cultura Hip Hop são as melhores possíveis. “A pessoa que não tem nada em mente, ela está sujeita às piores coisas que aparecerem pra ela. O Hip Hop é importante porque ele resgata quatro opções: o breaking, o DJ, o MC e o grafitti. A criança, se ela não gostar do rap, ela vai gostar da pintura ou da dança... A cultura, assim como o esporte, é importante. É uma porta que pode abrir várias”, reflete JD.

Parça JD (Novo: Vinícius Martins)

Amarilda Aparecida, moradora da região, concorda. “É uma coisa diferente, que envolve bastante a comunidade. Aqui não dá muito para as crianças ficarem brincando e quando tem eventos assim, fecha a rua e fica uma área para elas se divertirem”, ela diz. “Se tiver outras atividades assim, eu com certeza vou participar. Se tivessem mais eventos assim, seria melhor. A gente agradece. Quanto mais tiver, melhor”.

Confira a cobertura fotográfica:


28/02 - Celebração de Abertura - Baixada do Glicério

O Mês da Cultura Hip Hop Centro segue até o dia 15 de abril. Para acompanhar a programação, siga a página do evento no Facebook em: www.facebook.com/meshiphopsp



 

Texto: Divulgação / Edição de Imagem: Pedro Borges

Entre os dias 28/02 e 03/04 acontece na Região Central da cidade de São Paulo o Mês da Cultura Hip Hop 2016. Neste ano, o tema é a "Diáspora Africana" a partir da história dos povos negros saídos da África no colonialismo europeu para outros países, sobretudo, no Brasil. O evento contará com debates sobre geração de renda, poesia, protagonismo feminino e negro no movimento hip hop e diversidade.

Na programação é possível encontrar diversas oficinas com os elementos do hip hop (DJ, MC, Graffite, Breaking) em escolas, organizações da sociedade civil e espaços públicos. Além das atividades de Hip Hop, a região Central receberá oficinas de streaming, moda Afro, rodie e montagem de som e muito mais.

Outras novidade na edição deste ano são a Mostra de Cinema e Vídeo, a Mostra Competitiva On-Line de Videoclipes e a realização da Feira de Economia e Empreendimentos Solidários na região central de São Paulo com a participação de mais de 60 empreendimentos pautados pelo comércio justo, solidário, horizontal e democrático.

O Mês de Cultura Hip Hop de São Paulo conta com o apoio de organizações civis e da Prefeitura Municipal, além das Secretarias de Igualdade Racial, Cultura e Educação. O evento também visa promover a intersecção de diálogos atuais e fundamentais sobre os rumos da capital paulista por meio da ocupação dos espaços públicos do centro histórico da cidade para integrar crianças, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social na participação de atividades culturais e esportivas.

Serviço
Data: 28/02 a 14/04
Programação (locais e horários): https://www.facebook.com/meshiphopsp
Entrada gratuita

RSS

feed-image RSS

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com

Mais Lidos