fbpx

Com estreia prevista para 2019, “Sintonia” retrata história de três jovens na periferia de São Paulo em meio à música, tráfico de drogas e religião

Texto / Amauri Eugênio Jr.
Imagem / Reprodução YouTube


A realidade da quebrada deixará de ser retratada com a ótica marginalizada e elitista adotada pela sociedade, e poderá ser vista na Netflix com o olhar de quem veio de lá. A plataforma de streaming fará, em parceria com Kondzilla, a série “Sintonia”.

A trama aborda o cotidiano da periferia de São Paulo sob o ponto de vista dos jovens Doni, Nando e Rita. O trio cresceu junto na mesma comunidade, onde o funk, o tráfico de drogas e a influência da igreja coexistem e moldam, de certo modo, o caráter dos moradores de lá – inclusive deles. De acordo com a sinopse, os três jovens tentam ter estilo de vida diferente do qual tiveram contato desde sempre, mas com o passar do tempo se dão conta de que as únicas pessoas que podem salvá-las de si mesmas são elas próprias.

Konrad Dantas, o Kondzilla, deixou evidente o entusiasmo em participar do projeto, ao falar sobre como espera influenciar os jovens que vivem na periferia. “É o projeto mais antigo da minha vida e sempre sonhei em criar e dirigir uma ficção. Espero que seja mais uma das minhas realizações a inspirar mais molecada de favela a persistir com seus sonhos também – nada é impossível. Favela venceu!”, diz o cara, cujo canal no YouTube tem 29 milhões de assinantes e 1 bilhão de visualizações mensais. 

A empolgação de Kondzilla é compartilhada pela atriz Alice Braga, cofundadora da produtora Losbragas, envolvida também no projeto. De acordo com ela, “Sintonia” é relevante pelo fato de criar plataforma original para talentos surgidos na quebrada terem condições de contarem suas próprias histórias e assumirem protagonismo - esse é o caso do próprio diretor.

“Uma voz emergente que encontrou seu lugar fora da mídia tradicional, Kondzilla nos mostrou uma mensagem poderosa e força criativa, estabelecendo o que se tornou um dos maiores canais de música do YouTube no mundo. ‘Sintonia’ é uma narrativa em primeira pessoa e estou honrada em ficar ao lado dele enquanto conta sua história - da periferia do Brasil para o mundo", ressalta Alice.

A série, cuja criação é de Kondzilla, Felipe Braga e Guilherme Quintella, tem lançamento global na Netflix previsto para 2019. Confira a seguir o teaser da série.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com