fbpx

Iniciativa é voltada para os estados de São Paulo e Rio de Janeiro; remuneração é de R$ 60 a R$ 350

Texto: Redação | Imagem: Luana Almeida

Ações comunitárias de enfrentamento ao Covid-19, o novo coronavírus, nas periferias de São Paulo e do Rio de Janeiro, estados mais afetados pela pandemia, recebem apoio financeiro do Fundo Baobá, único fundo brasileiro dedicado à promoção da equidade racial, e do Desabafo Social, laboratório de tecnologias sociais aplicadas à geração de renda, comunicação e educação.

As iniciativas são selecionadas por meio de um desafio na plataforma ItsNoon - aplicativo de interação entre pessoas e ideias - onde é possível compartilhar iniciativas de apoio às populações em situação de risco nos territórios. No aplicativo, as pessoas respondem a desafios e recebem de R$ 60 a R$ 350 pelas ideias.

De acordo com a diretora executiva do Fundo Baobá, Selma Moreira, o objetivo é viabilizar pequenas iniciativas locais como campanhas feitas por vendedores de itens como ovos e produtos de limpeza ou transmissões online feitas pelos jovens das comunidades.

“Em suma, ideias simples que podem ser convertidas facilmente em ações que contribuem para prevenção de novas infecções, para lidar com as sensações de impotência frente a este gigante desconhecido e, sobretudo, preservar o sentimento de pertencimento e o espírito comunitário tão necessários neste momento de pandemia”, explica.

Para a criadora do Desabafo Social, Monique Evelle, outro diferencial da iniciativa é a premiação de pessoas pela criatividade delas. “Podem ser inscritas músicas, poesias, vídeos e outras manifestações artísticas que beneficiem as comunidades pela informação, pela motivação ou pelo suporte emocional”, detalha.

A seleção das ideias depende de critérios como região, obrigatoriamente em áreas consideradas de risco dentro dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, o caráter emergencial para reduzir os riscos de novas infecções, reduzir a sensação de isolamento e até mesmo para resolver problemas financeiros imediatos, bem como a criatividade e o foco em educação em saúde, na resiliência comunitária e contenção da onda de contágio.

Os interessados em participar devem baixar o aplicativo e criar um perfil para começar a publicar as ideias. O desafio teve início no dia 14 de abril e ficará disponível até o fim da distribuição de todos os recursos.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com