fbpx

Produção audiovisual da periferia da zona leste de São Paulo realiza campanha de financiamento coletivo

Texto / Simone Freire | Imagem / Jesu Severo | Edição / Pedro Borges

"Saudade" é um curta metragem simples e sensível que conta a história de quatro amigas e suas relações em várias etapas da vida. Dirigido, protagonizado e produzido por coletivos, organizações e artistas periféricos de São Paulo, a obra está com uma campanha de financiamento coletivo aberta até dia 6 de março.

O dinheiro arrecadado será para remunerar, minimamente, a equipe de produção e elenco, bem como transporte, alimentação e a equipe de filmagem, edição e finalização do curta.

“Fazer filme periférico é encher uma laje na quebrada. Chamar os aliadxs, ‘bota’ água no feijão que a gente vai fazer o teto da casa! Não seria possível realizar mais esse filme sem uma rede de coletivos que toparam a proposta”, conta Andrio Candido, diretor e roteirista.

O protagonismo do filme é de mulheres negras e homens negros, bem como da população LGBTQ+ e periféricos de forma geral. “Cada grupo, indivíduo e artista teve autonomia para atuar livre na sua criação, extrapolando e superando o que eu havia imaginado e proposto. E que bom... fazer filme é isso. É uma obra coletiva e a periferia tem muito a ensinar pro mundo sobre coletividade, sabe. Aliás somos escola de coletividade”, diz Andrio.

Cenário nacional

A campanha de financiamento coletivo foi a alternativa encontrada pelo diretor para dar sequência na produção, uma vez que o acesso a editais e financiamentos públicos está cada vez mais difícil, principalmente para produções negras e periféricas.

O governo do presidente Jair Bolsonaro, por exemplo, tem diminuído investimentos na área. Para 2020, o governo propôs um projeto ao poder legislativo que corta em 43% o orçamento do Fundo Setorial do Audiovisual, passando de R$ 650 milhões para R$ 300 milhões.

Em setembro do ano passado, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) também suspendeu a concessão de apoio financeiro para os filmes com temática LGBT+ e o ministro da Cidadania barrou o processo de seleção de séries com temática LGBT+ pré-selecionadas para um edital para TVs públicas. A própria Ancine também chegou a ser ameaçada de extinção pelo presidente.

“Estamos sentindo os baques sim, mas descendemos de quilombolas, sempre existimos e existiremos”, diz Andrio. “Não ficaremos esperando o recurso financeiro ideal para realizar a produção deste filme, como nada na vida, iremos criar estes recursos, provocá-los, atraí-los, vamos buscá-lo e ou barganha-lo”, diz.

A campanha de financiamento está ativa no site Kickante. Para saber mais sobre e colaborar acesse aqui.

 O povo preto quer narrar suas histórias

Vivemos em um mundo de disputa. Nossa sociedade tem profundas marcas das desigualdades que foram desenhadas ao longo da história. Na atualidade parece que há espaço para debate, a tão falada representatividade está sobre a mesa.
Mas o povo preto quer mais. Queremos narrar nossas próprias histórias. Queremos ter direito de fala não somente quando essa é concedida. Somos múltiplos, somos muitos e plurais. A ótica de ser preto no Brasil se revela como um espectro, tamanha a diversidade dos povos ancestrais que nos originaram, e a variedade de experiências que podemos ter e ser. Pertencer. O que nos conecta é pele.

Apoie o Alma Preta e nos ajude a continuar contando todas essas histórias.

Vamos fazer jornalismo na raça!

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Contato

E-mail
jornalismoalmapreta(@)gmail.com