Texto: Solon Neto / Artes: João Pinheiro / Edição de Imagem: Solon Neto

Entrevista com os autores conta a história do projeto que pretende levar a escritora negra ainda mais longe no Brasil

Sirlene Barbosa e João Pinheiro formam um casal de São Paulo-SP que resolveu dar contornos novos para a vida de Carolina Maria de Jesus ao transformá-la em quadrinhos. João é cartunista, tem 35 anos. Sirlene é mestra e doutoranda, além de professora e moradora no bairro paulistano de Itaquera. Ela tem a mesma idade de João.

O livro "Carolina em HQ" conta em formato de quadrinhos a biografia de uma das maiores escritoras brasileiras de todos os tempos. Nascida em Minas Gerais, em 1914, Carolina Maria de Jesus tornou-se uma das escritoras mais importantes da literatura brasileira e mundial. Sua obra mais famosa, "Quarto de Despejo", reúne diversos diários de sua vida na favela do Canindé, zona norte de São Paulo, e foi um best-seller que a tornou conhecida no Brasil inteiro e lhe arrancou da miséria. Com um talento único, Carolina foi traduzida pelo menos 13 idiomas e escreveu mais de cinco mil páginas de relatos, romances, poemas, provérbios, peças de teatro, contos, letras de música. No entanto, morreu pobre, apesar de sua obra ter se tornado tão importante. 

Foi essa vasta obra e sua importância para a memória e auto estima da população pobre e negra no Brasil que inspirou Sirlene e João a tranformarem sua história em quadrinhos.

Sirlene percebeu, através de uma pesquisa, que os Professores Orientadores de Sala de Leitura da Diretoria Regional de Educação de Itaquera (PMSP), pouco conheciam a obra de Carolina Maria de Jesus: “de 39 docentes, apenas seis conhecem Carolina, superficialmente, e nenhum deles realizou leituras de sua obra nas salas de leitura que coordenavam”.

Como se não bastasse isso, Sirlene fez um levantamento nas bibliotecas da cidade e constatou que a obra da escritora não estava completa nos locais. “Com apenas uma unidade de Quarto de Despejo em cada biblioteca e único volume de Diário de Bitita em toda rede, nos perguntamos: como a escritora será mais estudada e, portanto, conhecida, se as bibliotecas da metrópole de São Paulo não disponibilizam sua obra para os usuários?”.

Para ela, Carolina Maria de Jesus, que descreve como “escritora incrível e fundamental”, vai muito além de seu trabalho mais famoso, o aclamado “Quarto de Despejo”. As bibliotecas paulistanas, no entanto, não passam dessa obra em seus catálogos, o que impossibilita que a escritora seja mais conhecida e estudada.

Carolina

Pensando em como mudar essa realidade, Sirlene e João perceberam que a população negra tem pouca representação nas páginas dos quadrinhos. Daí, partiu a ideia de transformar Carolina Maria em HQ, de forma que pudesse chegar a mais pessoas. O projeto dos dois é ambicioso: “propomos contar a vida e parte da obra de Carolina, por meio de uma História em Quadrinhos e objetivamos que o livro chegue às bibliotecas e escolas de todo o país. Sim, nosso intuito é alcançar todo o Brasil, ir além de São Paulo. Desse modo queremos dar nossa colaboração para que o nome de Carolina continue sendo lembrado, não como um objeto estranho, como foi tratada na época de sua aparição, mas como potencial humano e a escritora que foi”.

Os autores ressaltam a necessidade de mostrar a força de uma mulher negra que contrariou a tradicional literatura brasileira, que para eles continua branca e de elite. “Também buscamos ressaltar o seu protagonismo em vida, sua insistência em ser enunciadora de sua própria história e não mero objeto de curiosidade. Sua negação à tentativa de mercantilizar sua imagem fez com que, após sucesso estrondoso, a elite perdesse o interesse nela, e consequentemente a relegasse ao esquecimento”.

Carolina Maria de Jesus permite muitos olhares, segundo João e Sirlene. “Como mulher, negra, mãe, única chefa de família, trabalhadora, escritora, compositora”. Eles acreditam que a obra em quadrinhos pode ampliar o alcance de sua história, fazer valer a Lei 10.639/2003 e “mostrar que uma mulher negra também pode ser escritora”, como disse Sirlene.

Os quadrinhos biográficos mesclam fatos conhecidos sobre Carolina, além de seus escritos ficcionais e autobiográficos. “Buscamos uma narrativa acessível para contar sua vida atribulada, porém repleta de esperança, capacidade de superação e poesia”.

Como transformar Carolina Maria de Jesus em Quadrinhos

O casal levou cerca de três anos para realizar a pesquisa que resultou no livro “Carolina em HQ”. Ao longo desse período eles entrevistaram pessoas próximas à escritora e viajaram para conhecer seus passos, como quando conheceram a cidade em que Carolina nasceu. “No início de 2015, estivemos em Sacramento (MG), cidade natal de Carolina e conhecemos o terreno onde ficava a casa onde ela morou na infância, o colégio que estudou e tivemos acesso a alguns de seus manuscritos, fotos, objetos pessoais, que estão guardados no acervo da cidade, tudo mediado pelo professor e editor Carlos Alberto Cerchi. Nesse encontro, ele convidou o João para fazer a capa e ilustrações internas para a segunda edição do Cinderela Negra. Foi uma baita honra”. Eles contam que o livro "Cinderela Negra”, de José Carlos Sebe Bom Meihy e Robert M Levine, foi uma das obras essenciais para a pesquisa de “Carolina em HQ”.

Carolina 5

Não foi fácil conseguir financiamento para escrever o livro. Apesar de já idealizado, os escritores levaram mais de um ano para conseguirem financiamento para realizar a obra. “Começamos em 2013 e queríamos lançar a HQ em 2014, por ocasião das comemorações do centenário da Carolina. Fizemos uma proposta e apresentamos para algumas editoras, mas todas recusaram. Em 2014 inscrevemos o projeto no ProaC 2014 e fomos selecionados. Finalmente, no final deste ano, começamos a trabalhar para valer na produção.”

O ProaC é uma política pública da secretaria de cultura do Estado de São Paulo, e financia projetos culturais como o de Sirlene e João.

Mesmo com o financiamento, não foi fácil realizar o trabalho, que exigiria uma dedicação exclusiva em um mercado difícil, que é o dos quadrinhos. Mas as motivações de João e Sirlene eram maiores. “A dificuldade é não poder se dedicar exclusivamente à produção da obra. É preciso abrir mão de muitas coisas para se fazer histórias em quadrinhos, mas nós topamos a empreitada por acreditarmos na importância do trabalho”.

Os autores conseguiram publicar o trabalho ao lado de uma editora, a “Veneta”. Mesmo assim, todo o trabalho envolvido em “Carolina em HQ” foi independente. Eles acreditam que formas alternativas de produção e divulgação sejam necessárias, e que os editais podem ajudar, porém o consumo continuará sendo um problema. “Acreditamos que mais editais como o ProaC, Programa VAI, apoio aos produtores independentes podem ajudar, mas a distribuição e fruição das obras para o público ainda continua sendo um problema. Quer dizer: como fazer chegar nossa produção às camadas mais pobres da população? Programas de incentivo à leitura, fortalecimento e ampliação das feiras independentes de cultura, grupos de leitura, cineclubes populares e saraus são algumas das alternativas”.

Satisfeitos com o trabalho, os autores agora se concentram em outros projetos. Sirlene se prepara para defender sua tese de doutorado, que investiga os efeitos de um “currículo descolonizado” no ensino de jovens negros na educação básica de São Paulo. Para ela, o currículo atual “apresenta apenas a voz do europeu branco e nossa cultura é formada pelas vozes do indígena, do negro e, também, mas não somente, do europeu colonizador”. Já João, aponta para uma novela, iniciada em 2007, e uma HQ em que pretende representar sua geração. “A história de um grupo de amigos crescendo nos anos 1980-90, na periferia da zona leste de São Paulo. Já tenho um primeiro argumento, mas ainda vai demorar um tempo para amadurecer e concretizar de fato”.

Os ecos do Quarto de Despejo: A vida de Carolina se entrelaça com a dos autores

A história de Carolina se entrelaça com as vidas dos autores. Nascidos e criados nas periferias de São Paulo, ambos têm a sensibilidade necessária para não só compreender as palavras de Carolina, mas para senti-las conversando com suas lembranças.

“Sou mulher negra, nasci, cresci e continuo morando na Zona Leste (Itaquera). Minha família, essencialmente, é formada por trabalhadores rurais que migraram para São Paulo, na década de 1970, para se tornarem operários”, lembra Sirlene, testemunha viva do processo de urbanização brasileiro, caótico e violento. “Sou de uma família de negros trabalhadores. Vi o extermínio de jovens negros, na década de 1990, período em que era adolescente; o desemprego bater na porta de muitos dos lares dos meus amigos, inclusive, no meu. O descaso com a educação, a violência policial e a pouca perspectiva que nos era ofertada. Tudo muito semelhante, separando o fato de eu residir em um apartamento popular e não em uma favela, aos fatos narrados no Quarto de Despejo”.

Carolina 4


João se vê como membro de uma geração que teve direitos roubados pela ditadura, e crê na necessidade de histórias como a de Carolina serem contadas para que não se perca a memória da periferia brasileira. “Trabalhar com a história da Carolina e também com a história de uma das primeiras favelas de São Paulo, pelos olhos de uma moradora (fonte primária), me fez olhar toda essa realidade periférica em perspectiva e assim pude refletir acerca do processo histórico que engendrou nossas periferias, [...] uma imensa cidade dormitório precarizada, concebida para o despejo dos escravos modernos”. Para ele, 46 anos após a publicação de Quarto de Despejo, muita coisa não mudou. “Cabe-nos perguntar, hoje, se as Carolinas de todo o Brasil são menos escravas do custo de vida. E a mobilidade social dxs negrxs no Brasil, a quantas anda? O que dizer do já tão falado extermínio dos pretos no cotidiano das quebradas?”. João é confesso admirador do talento literário de Carolina Maria, pois quebrou diversos paradigmas e marcou seu nome na literatura brasileira e mundial.

Para ele, a cor da pele, mesmo na periferia, muda muita coisa. “Ainda vivo aqui e presencio o que acontece e sou consciente de como ter uma pele branca, no contexto periférico, serve como uma espécie de escudo, um salvo-conduto.”

Já Sirlene, aproxima seus sonhos dos da escritora. Se Carolina sonhou e tornou-se escritora, Sirlene realizou o desejo de ter formação acadêmica. “Essas portas ainda são muito estreitas e brancas. À época de minha graduação, foi preciso arrombá-la; Carolina fez o mesmo com a literatura: deixou de ser objeto e passou a protagonizar. Nisso temos muito em comum”.

Serviço

Carolina Livro

AUTOR: Sirlene Barbosa / João Pinheiro
CATEGORIA: história em quadrinhos
Nº DE PÁGINAS: 128
FORMATO: 17x24
PESO: 0,400g
ISBN: 9788563137586

Onde comprar:

Amazon: http://amzn.to/1ZRFJdn
Cultura: http://goo.gl/r69FTF
Saraiva: http://goo.gl/l60OS2
Loja Veneta: http://goo.gl/O3ptEg

Gostou dos desenhos? Os traços de "Carolina em HQ" estão nas camisetas do Alma Preta. Para comprar basta clicar aqui.

Texto: Pedro Borges / Ilustração: João Carlos / Infográfico: Vinicius Martins/ Artes: Solon Neto

Tributação no país alimenta o que teóricos e ativistas chamam de racismo estrutural

A alta tributação sempre foi presente na história brasileira. Seja durante a plantação de cana de açúcar, café, ou mesmo na mineração, Portugal sempre cobrou elevadas quantias financeiras do Brasil.

Após a proclamação da independência, em 1822, a taxação começa a ser estruturada de acordo com os interesses dominantes nacionais. A elite agrária, então coordenadora da economia do país, decidiu não tributar as grandes plantações, ou seja, o seu negócio. A cobrança de impostos se limitou à arrecadação das movimentações financeiras no comércio exterior.

banner textos assinaturas

Até 13 de Maio de 1888, ainda durante o regime escravista, pretas e pretos viviam sob a condição de não serem tributados, mas sim objetos de tributação. “A consolidação da Lei Teixeira de Freitas, que era a legislação civil em vigor depois das ordenações do rei, considerava os negros como ‘semoventes’, ou seja, como gado. Tinha um registro específico, no cartório, ‘o sujeito tem tantos escravos’. Era considerado coisa”, explica Renato Gomes, advogado tributarista.

Para ele, a tributação brasileira ganha novo caráter com o fim da escravidão e o início de um projeto industrial, com Getúlio Vargas e o golpe de estado em 1930. “A partir da industrialização, eu começo a ter uma ideia de geração de riqueza urbana. Vai se tarifar a renda do trabalhador e o imposto sobre vendas e consignações, que é o avô do ISS (Imposto Sobre Serviços). É o início da ideia de taxar as outras fontes de riqueza de modo a permitir uma maior arrecadação para o país”.

A taxação no meio urbano sobre o consumo e a renda do trabalhador exigiu a construção de um sistema tributário articulado. Se antes havia uma série de leis que tentavam remediar e remendar a legislação brasileira, é no ano de 1965 que se constrói a emenda 18, o primeiro código tributário do país, projeto de autoria de Rubens Gomes de Souza. É nesse momento da história que se opta por cobrar de maneira mais significativa o consumo e a riqueza adquirida.

citação 2

Consumo

A tributação pode ser feita em três momentos de geração de riqueza: adquirida, poupada e consumida. O Brasil escolheu tarifar de maneira significativa o consumo, o que para Renato significa a possibilidade de cobrar todas pessoas, inclusive aquelas que não têm renda. “As pessoas precisam comer e viver. Mesmo que embaixo da ponte, vive e adquire bens. Perceba que a riqueza enquanto consumida tem uma abrangência e uma capilaridade maior do que os outros momentos da aquisição”.

Silvio Almeida, professor do Mackenzie e advogado tributarista, aponta que, no consumo, não há, como nas outras esferas de arrecadação, uma colaboração progressiva. Todos, independente da renda, vão pagar os mesmos impostos. “Pobre come pão e rico também; ambos pagam o mesmo tributo incidente sobre o preço do pão. A diferença é o quanto dispõem para gastar com suas demais necessidades”.

Dados referentes a 2015 e divulgados pela Receita Federal mostram como o consumo de bens e serviços sustentou quase metade (49,68%) do montante arrecadado pela União, estados e municípios. Em 2015, 32,66% do Produto Interno Bruto (PIB) do país veio da carga tributária e metade deste valor (16,22%) foi proveniente da cobrança sobre o consumo. Comparação internacional feita em 2014, a partir dos dados da Receita Federal, colocou o Brasil em 2° lugar na lista dos 30 países que mais tributam o consumo. Apenas a Hungria ficou a frente do Brasil.

Outro aspecto cruel dessa equação é o contexto social em que estamos inseridos: a sociedade de consumo, construída e alimentada de maneira diária pelo marketing e pela publicidade. “A ideia de cidadania foi substituída pela ideia de consumidor. O consumidor tem direitos, né? O consumidor, porém, só é o sujeito consumindo”, explica Renato Gomes.

Salário do trabalhador

Silvio Almeida explica como a tributação também é severa sobre a renda dos trabalhadores. Além de pagar ao consumir, o proletariado também é tarifado na renda com uma série de encargos. “Quando se recebe um salário cujo valor não está isento do pagamento de imposto de renda, a legislação tributária determina que o empregador desconte diretamente da folha de pagamento o imposto de renda e o repasse à Receita Federal. É o Imposto de Renda retido na fonte”.

No Brasil, a taxação é feita sobre a renda, que é resultado do rendimento do trabalhador menos as suas despesas. Ou seja, quando se tributa a renda, não se considera que o trabalhador já teve custos. Por uma questão técnica, o governo antecipa a arrecadação e dá a possibilidade do cidadão apresentar seus gastos e ser ressarcido. Mesmo assim, existem áreas onde há um limite para a compensação, como na declaração da existência de dependentes da renda ou ainda para educação.

Mesmo que o encargo sobre o Imposto de Renda varie entre 7,5% e 27,5%, a cobrança é avaliada como alta e onerosa. Depois da arrecadação por consumo, é por meio do imposto de renda que o Estado mais concentra recursos. A tributação representou 25,83% de toda a carga tributária, o que significou, em 2015, 8,44% do PIB.

Pec241

Dados da Receita Federal ajudam a entender a desigualdade social no país, pois é possível constatar que menos de 1% dos contribuintes têm cerca de 25% de toda riqueza declarada em bens e ativos financeiros no Brasil. O número de pessoas com renda superior a 160 salários mínimos caiu de 73.743 mil em 2012 para 71.440 mil em 2013.  Essa quantia representa 0,3% dos declarantes de imposto de renda e o valor financeiro de R$ 298 bilhões.

Os grandes salários, como o de jogadores de futebol dos principais clubes do país, costumam seguir uma lógica diferente de tributação, conta Renato Gomes. “Jogador de futebol não recebe os seus rendimentos, que são altíssimos, de mais de 100 mil reais por mês, na carteira de trabalho e como pessoa física. Eles recebem a parte significativa, 90%, 80%, como direito de imagem. Se o sujeito ganha 100 mil reais, só de contribuição previdenciária, o clube teria que pagar 20 mil reais. Então como faz? Vamos colocar 10 mil reais de salário e 90 mil de direito de imagem. O clube vai pagar 20% sobre os 10 mil, porque 90 mil ele está pagando direito de imagem, não na folha salarial”.

Silvio Almeida recorda outro exemplo para certificar a ideia de que os não assalariados convencionais têm benefícios tributários. “A distribuição do lucro pelas empresas pode se dar na forma de pagamento de dividendos ou ainda, como “Juros sobre Capital Próprio” (JSCP), ambas com vantagens imensas para quem é sócio de uma empresa, podendo, muitas vezes, nada pagar de Imposto de Renda sobre o lucro a ele distribuído”.

Outro setor de geração de riqueza muito privilegiado é a acumulação a partir de territórios. A cobrança, tanto nas áreas urbanas (IPTU) quanto nas rurais (ITR), é baixa e o valor arrecadado é irrisório para o Estado. Apesar da previsão constitucional de maior taxação na medida em que não há utilização do espaço, essa ferramenta tem sido pouco empregada para enfrentar a especulação imobiliária ou fundiária.

A tributação sobre propriedade foi de apenas 4,44% da carga tributária, o que representou 1,45% do PIB em 2015. Segundo a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), em 2012, o percentual arrecadado pelo Brasil é a metade do acumulado em países como Estados Unidos (12%) e Reino Unido (12%); e 50% a menos que Argentina (9%) e França (9%). 

Entre os cinco impostos que incidem sobre a propriedade em vigor, a menor arrecadação é do Imposto Territorial Rural (ITR), único de responsabilidade da União. Só de Imposto sobre Patrimônio Territorial Urbano (IPTU), o município de São Paulo recebeu, em 2013, R$ 5,45 bilhões, ou seja, mais do que seis vezes do valor arrecadado do ITR em todo o país no mesmo período, R$ 864 milhões, de acordo com o Sistema de Informações Contábeis e Fiscais do Setor Público Brasileiro (Siconfi).

Renato explica como a baixa tributação de propriedades no Brasil e o insignificante valor de arrecadação são questões históricas do país. “O Brasil é um país criado em capitanias hereditárias. Ele nasceu com grandes propriedades. Não é normal, mas a gente entende porque essas grandes propriedades territoriais até hoje não são tarifadas”.

A disparidade tributária do Brasil se estende para o setor financeiro. Este é outro segmento produtor de riquezas pouco taxado no país. Em último lugar, a tributação sobre as transações financeiras representou 1,8% da carga tributária, ou seja, 0,59% do PIB.  No caso do Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF), houve uma queda real de 1,61%, ou seja, recuo para R$ 5,8 bilhões nos primeiro bimestre de 2016.

CargaT

A isenção tributária de determinados segmentos sociais ganha mais força com a possibilidade de acesso à informação dos setores privilegiados. O sistema tributário, cheio de remendos constitucionais, contém uma série de lacunas e falhas que permitem ao empresário diminuir a taxação sobre a sua atividade financeira, de acordo com Renato Gomes. “Há métodos e mecanismos que possibilitam um planejamento tarifário para que haja exoneração, ao passo que as camadas mais populares, por não terem esse conhecimento de mercado financeiro, de economia, de tributação, de direitos, são taxadas, até porque a sua maior fonte de renda é o salário formal, que já vem descontado”.

Comunicação e alta tributação: onde investir?

Os principais veículos de mídia no Brasil consolidaram a ideia de que o país é o detentor da maior carga tributária do mundo, o que é uma falácia. “Ela é muito grande, mas não é a maior. Qualquer pessoa com um pouquinho de tempo vai buscar no Google e ver que não é. Recentemente saiu uma lista e o Brasil é a 38° maior carga tributária. A gente está falando de uma das dez maiores economias do planeta”. 

Silvio recorda que essa construção dificulta qualquer debate sobre tributação e endossa o desejo do empresariado de impor a maior privatização da economia, precarização dos serviços públicos e aumento do espaço para a iniciativa privada. “Isso trava de antemão qualquer possibilidade de uma reforma. Veja o bombardeio midiático e até jurídico ao prefeito de São Paulo quando resolveu alterar a planta básica do IPTU, isentando alguns imóveis do pagamento, mas aumentado de algumas regiões. A única pauta aceitável é a de “simplificação” do sistema de pagamentos e de “redução da carga tributária”, o que diante da situação fiscal do Brasil, agravada pela dívida pública e pelos altos juros, é uma piada de péssimo gosto”.

A diminuição da carga tributária no Brasil, pauta do grande empresariado nacional, é motivo de reflexão e questionamento para Silvio. “Se a carga tributária diminuir (para os ricos, claro), os recursos seriam aplicados em mais empregos e mais investimentos como é a justificativa apresentada pelos defensores da medida?”.

A dúvida ganha ainda mais força quando se analisa para onde se investe aquilo que se arrecada. “Só em 2014, o governo federal gastou R$ 978 bilhões - 45,11% de todo o Orçamento executado no ano - com juros e amortizações da dívida pública. Ela é o resultado da emissão de títulos do governo para a captação de dinheiro junto ao mercado financeiro. É um procedimento nebuloso que drena o orçamento brasileiro de tal forma que praticamente inviabiliza o necessário investimento em direitos sociais”, descreve Silvio.

Em 2013, o montante investido na saúde foi de R$ 190 bilhões, o que representa 3,6% do PIB do país. Os números com a educação são um pouco maiores. Estima-se que o gasto bruto tenha ficado na casa dos R$ 348 bilhões, o que representa 6,6% do PIB da época. Os números são baseados em dados do IBGE.

Os dados são ínfimos se comparados à verba destinada ao pagamento da dívida pública. Nada que não possa piorar com o governo Temer e a proposta da PEC 241, aprovada pela Câmara dos Deputados e que propõe o congelamento dos gastos públicos pelos próximos 20 anos. A expectativa é reduzir os investimentos públicos já em 1,5% e 2% do PIB nos próximos três anos, o que traria efeitos trágicos para a saúde e a educação públicas.

Racismo

Entender o sistema tributário, na concepção de Silvio Almeida, é fundamental para a compreensão daquilo que é chamado de racismo estrutural no país. “O sistema tributário brasileiro é uma peça – e das mais importantes – do que chamamos de “racismo estrutural”. Isso porque a tributação no Brasil tem um caráter regressivo, incidindo de modo sensível sobre os rendimentos das pessoas mais pobres, que, segundo estatísticas, são negras em sua grande maioria”.

Carga Tributária 1

“Com menos recurso e sendo mais tributado, o negro tem menos dinheiro para se aperfeiçoar, para se divertir, para fazer tudo. E é óbvio que isso impede a ascensão social”, descreve Renato Gomes, ao apresentar a centralidade do sistema tributário para a manutenção do racismo.

Para ele, o peso tributário se torna ainda mais significativo quando a mulher negra é colocada em pauta. “É feita a análise de quanto a tributação impacta na renda das pessoas. E você vê o impacto significativamente maior nos 10% mais pobres do que nos 10% mais ricos. Existe uma gradatividade, e quando você vai analisar quem é essa população mais pobre, você vê que ela é majoritariamente de negros. E entre os negros, a maior parcela é de mulheres negras”.

Silvio exalta que essa é uma pauta da comunidade negra e por isso deve haver um enfrentamento político para a mudança dessa agenda. “Um sistema tributário tão profundamente injusto é o índice de uma sociedade cuja lógica é a desigualdade e que assim quer permanecer. A dinâmica do racismo no Brasil é também tributária”.

Essa necessidade de envolvimento perpassa pelo conhecimento da história brasileira. A comunidade negra precisa saber e o Estado reconhecer que parte das riquezas nacionais foram construídas em períodos históricos de super-exploração de corpos negros. “A questão tributária ajuda a reproduzir a desigualdade e perpetuar riquezas que muitas vezes não foram construídas com “pioneirismo”, “empreendedorismo” e nem com “trabalho duro”, como quer fazer crer certo discurso liberal. Às vezes estamos falando de fortunas que se levantaram em períodos sombrios da história do Brasil, como a escravidão e a ditadura militar, mantidas com forte auxílio do Estado”, recorda Silvio.

Saída tributária de outros países e os limites do capitalismo

Nos EUA e em outros países, diferentes escolhas políticas foram tomadas no âmbito tributário. Os norte-americanos decidiram por taxar as grandes heranças como forma de arrecadação para o Estado, de acordo com Renato Gomes. “Os EUA não tributam a fortuna. É uma maneira de incentivar a formação dela. Mas eles tributam, a partir de determinados níveis, de maneira bastante significativa, a herança. Há até a possibilidade de você ter uma diminuição da tributação com a criação de uma fundação. Há exemplos desde a Rockfeller, até a mais recente, a fundação Bill Gates”.

Silvio recorda o modelo de nações europeias, com propostas distintas da dos dos EUA, como forma de questionar a taxação sobre grandes fortunas no Brasil. “Em países como Áustria, Suécia, Dinamarca, Holanda e Reino Unido, a tributação pode chegar a 50%, a depender da faixa de rendimentos. Já os impostos sobre patrimônio (herança, por exemplo), também são relevantes, coisa que no Brasil é praticamente inexistente”.

Aqui, há uma imensa dificuldade para se debater algo previsto na constituição, que é a taxação das grandes fortunas, proposta que não é suficiente para resolver a questão, de acordo com Silvio Almeida. “Apesar da previsão de um imposto sobre grandes fortunas, sua implantação, além de insuficiente para resolver o problema que remete às finanças públicas e ao direito financeiro, não avança. Observa-se uma forte resistência da sociedade quando se trata de falar de reforma tributária”.

Mesmo com propostas díspares e que proporcionam uma menor desigualdade social, o capitalismo necessita dessa diferente condição para se manter. “Não existe capitalismo com igualdade material, e para tanto o sistema tributário tem que operar nesse sentido. Nos países do capitalismo central o que se tem é uma menor desigualdade, porque lá se tem indústrias, massa salarial relevante, consumo e Estados que se estruturam para defender essas condições internas do funcionamento de suas respectivas economias. Mas isso não significa que nesses países o sistema tributário não prestigie os mais ricos, como muito bem demonstrou o trabalho de Thomas Piketty, ‘O capitalismo no século XXI’”.

Texto: Pedro Borges / Edição de Imagem: Solon Neto

Projeto desenvolve jornalismo sob a perspectiva racial de maneira autônoma e independente

Em 2015, três estudantes de jornalismo e um do curso de design, todos alunos negros da UNESP, campus Bauru, começaram uma iniciativa audaciosa: a criação de um portal de mídia negra, o Alma Preta.

Desde então, Pedro Borges, Vinicius de Almeida, Vinícius de Araújo e Solon Neto têm feito a cobertura de eventos, como o Encontro de Estudantes e Coletivos Universitários Negros, EECUN, e produzido inúmeras reportagens especializadas sobre a questão racial.

Os temas abordados são muitos. Variam desde o genocídio de negras e negros, representação midiática, cotas raciais, afroempreendedorismo, até pautas estruturantes da sociedade brasileira, como a carga tributária e a democratização da mídia. O ponto em comum de todo material é o alarde e a oposição ao racismo existente no país, fruto da construção do Estado brasileiro e do período escravocrata.

As plataformas de criação e divulgação são diversas. Há uma utilização plural de redes sociais como Facebook, Instagram, Twitter e Youtube, bem como existe uma produção de conteúdo múltipla, se utilizando de ilustrações, textos escritos ou vídeos. Assim o Alma Preta consegue comunicar e tornar o conteúdo atraente ao leitor.

Para dar continuidade ao projeto, os jovens decidiram dar outro passo, igualmente audacioso: pensar um modelo de negócios capaz de sustentar o portal. “A ideia de fazer uma campanha de assinaturas e uma loja virtual surgiu da necessidade de manutenção do projeto com qualidade. Produzir e mediar informações com credibilidade requer uma estrutura física mínima e garantia de financiamento para os recursos humanos envolvidos nesse processo. A campanha de assinaturas e a loja virtual se colocam como boas possibilidades para estreitar relações com o público que acompanha e valoriza o trabalho feito no Alma Preta, permitindo inclusive maior participação dessas pessoas na direção do projeto, sem que ele dependa de influências externas que alterem a essência da linha editorial adotada”, explica Vinicius de Almeida, jornalista e co-fundador do projeto.

banner textos assinaturas

O jornalismo contemporâneo segue uma regra: diminuição das redações, maior presença de textos de assessoria de imprensa e a raridade das reportagens. A publicidade e o aporte governamental têm se mostrado insuficientes para a manutenção de um jornalismo de qualidade. Vinicius de Almeida explica que a fase atual da comunicação permite outras possibilidades de financiamento mais coerentes com a linha editorial dos grupos. “Hoje para fazer jornalismo qualificado é possível recorrer a outras fontes de financiamento, sendo o diálogo direto com o público uma das possibilidades mais interessantes, pois protege o compromisso ético desses veículos. Grupos independentes possuem um olhar diferente do viés hegemônico da mídia comercial, e trazem pluralidade aos debates na sociedade, coisa que não acontece nos meios convencionais, que monopolizam as narrativas”.

Merece destaque, entre os mais de 200 textos autorais publicados desde o início do projeto, a quantidade de eventos da comunidade e/ou movimento negro noticiados, assim como o volume de casos de racismo que se tornaram públicos no portal. Mais do que isso, o Alma Preta disponibiliza em seu canal no Youtube entrevistas com referências da luta anti-racista como Jurema Werneck, KL Jay, Tássia Reis e Yzalú.

Há também nas páginas do portal uma quantidade expressiva de textos de nomes do movimento negro brasileiro das mais diversas faixas etárias e linhas políticas, como Juarez Xavier, Djamila Ribeiro, Dennis de Oliveira, Caroline Amanda Lopes Borges, Mirts Sants e Danilo Lima.

Incentive!

Quem tiver o interesse em colaborar com o Alma Preta e incentivar o jornalismo preto e independente, pode tornar-se assinante ou ainda adquirir um produto na loja virtual. Todo o sistema foi criado para facilitar o acesso e a navegação em nossas redes para que o usuário aprecie o conteúdo do Alma Preta e contribua de modo financeiro para que se dê continuidade à mídia negra e livre.

Os planos podem ser adquiridos em três categorias diferentes, bronze, prata, ouro, e em três periodicidades distintas, mensal, semestral e anual. A equipe do Alma Preta recomenda os planos mais extensos para que o usuário colabore com o planejamento a longo prazo do projeto. Na loja virtual, os interessados podem adquirir camisetas do mais diversos tamanhos, nas cores branca e cinza, que fazem alusão à Carolina Maria de Jesus, Zumbi dos Palmares, e ao logo do Alma Preta, símbolo da negritude.

RSS

feed-image RSS

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos