Diversas organizações do movimento negro emitem carta de repúdio contra as reformas propostas pelo governo Michel Temer. As entidades conclamam a comunidade negra a participar da greve geral do dia 28 de Abril, sexta-feira.

Texto / Pedro Borges
Carta / Movimento Negro

No dia 28 de Abril, centrais sindicais e movimentos sociais como a Frente Brasil Popular e a Povo Sem Medo organizam greve geral em todo o país. Na cidade de São Paulo, os movimentos sociais se reúnem no Largo da Batata para protestar contra as reformas do governo Michel Temer.

A partir das 14h, na Praça Benedito Calixto, o movimento negro começa a concentração para participar do bloco em apoio à greve geral. Os manifestantes partem para o Largo da Batata, onde se juntam aos demais grevistas, para seguirem o ato. O grupo é articulado pela Frente Alternativa Preta e reúne uma série de entidades do movimento negro.

Leia na íntegra a carta do movimento negro contra as medidas propostas pelo governo Michel Temer.

São Paulo, 28 de Abril de 2017

Hoje, 28 de Abril, nós negras e negros trabalhadores estamos em Greve, nas ruas lutando contra as reformas racistas e genocidas do governo Temer: Reforma Trabalhista, da Previdência e da Terceirização. Nos somamos às manifestações convocadas pelas Frentes de movimentos sociais, partidos e sindicatos.

A população negra, alvo histórico da desigualdade e da violência, de uma sociedade estruturada pelo racismo, pelo patriarcado, pela LGBTfobia e todas as formas de preconceito e discriminação que estamos submetidas(os), se coloca mais uma vez nas ruas, contra a perda dos poucos direitos conquistados com muita luta pelos trabalhadores negros brasileiros.

Sabemos que até mesmo os direitos até hoje conquistados - civis, sociais, trabalhistas - sempre foram sistematicamente cerceados ao nosso povo, e o genocídio - direto e simbólico - sempre foi a principal característica da relação entre nós e o Estado.

No entanto, em momentos de crise do sistema do capital, como o que flagrantemente vivemos agora, as forças do “deus mercado” dos grandes empresários e especuladores mundiais apertam o cerco e, por via de governos covardes e entreguistas, como o de Temer, buscam retirar os poucos direitos conquistados pelos(as) trabalhadores(as), custe o golpe que custar. A ganância de manter e aumentar suas margens de lucro não tem fim.

A população preta e periférica é reprimida, o Estado investe pesadamente em seu aparato militar, na “guerra às drogas” que está efetivada como política de criminalização da juventude negra, e em regulamentações punitivas e restritivas de liberdade. O povo, cada vez mais pobre, é o inimigo. E a população negra, segmento majoritário da classe trabalhadora é, mais uma vez, o descarte prioritário.

Nessa esteira, temos um definitivo exemplo das armadilhas organizadas pelo Estado para sacrificar cotidianamente aqueles que praticam o mais intolerável crime de uma sociedade racista: Nascer negro. Rafael Braga, condenado a mais de 11 anos de prisão, em um processo penal que ignora frontalmente a legalidade, com centenas de indícios de fraudes, e baseado apenas em depoimentos da Polícia Militar, não nos deixa outra opção se não a certeza de que o cerco ao povo negro segue em curso no Brasil. É também por Rafael Braga que estaremos em marcha.

Chamada 28.04

O fim do direito a aposentadoria, o desmonte dos direitos trabalhistas, a terceirização irrestrita do trabalho, o congelamento de investimentos sociais por 20 anos, o desmonte do SUS e o aumento da repressão e da violência policial têm um caráter explicitamente racista e genocida. Políticas de ações afirmativas comprovadamente eficazes para um caminho de equilíbrio de oportunidades entre negras(os) e a população periférica têm sido destruídas. É o que vemos com o fim da ampliação de vagas em universidades federais, a gradual descaracterização do Enem e o esvaziamento da importância da lei 10.639; assim, dá-se a reprodução, em nível federal, do que faz o governo do Estado de SP através de USP e UNICAMP, que se opõem sistematicamente às políticas de cotas raciais em cursos de graduação e pós-graduação. Sim, com as reformas de Temer, os efeitos do racismo e o genocídio negro se aprofundaram ainda mais.

Se a proposta da “Reforma” da Previdência vai afetar milhões de trabalhadoras e trabalhadores, o que dizer das mulheres negras, das travestis e transexuais, maioria nos setores precarizados e na prestação de serviços, como limpeza, cozinha, telemarketing, reciclagem e outros? O que dizer das empregadas domésticas que só depois de muita luta conquistaram seu status de trabalhadoras e que nunca vão conseguir atingir a tão sonhada aposentadoria e o direito ao merecido descanso após anos e anos trabalhando em casas de família, sujeitas a todo tipo de desgaste físico e humilhações? A PEC das Domésticas que tanto comemoramos será invalidada com essa “Reforma” da Previdência. Nenhuma mulher conseguirá comprovar 25 anos de contribuição.

Nós, povo negro, temos lado, e ocuparemos nosso lugar nesta luta, apontando que em um país - de maioria negra - cabalmente racista, o nosso lugar é também na direção de todos os processos de luta, seja contra a retirada de direitos, por mais direitos ou pela efetiva emancipação das trabalhadoras e trabalhadores.

Seguimos firmes sob a proteção das nossas e dos nossos ancestrais!
Nossos passos vêm de longe.
Povo negro unido é povo negro forte!

Assinam:

Frente Alternativa Preta
Uneafro-Brasil
Blog Negro Belchior
Agenda Preta
Movimento Revolucionário de Trabalhadores - MRT
MAIS
Marcha das Mulheres Negras São Paulo
Núcleo de Consciência Negra na USP
Coordenação Nacional de Entidades Negras/CONEN
Kilombagem
Setorial de Negras e Negros do PSOL
Juntos
Rede Emancipa
Coletivo de Educadores Progressistas
Terça Afro
Grupo Artístico Imani
Alma Preta
CEERT- Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades
Espaço Cultural Cachoeiras - Cohab Raposo Tavares
AMO - Associação Mulheres de ODUN
AEUSP - Associação de Educadores da USP
Coletivo Milton Santos – APEOESP
Iniciativa Negra por uma Nova Política sobre Drogas
Coletivo Levante Mulher
Grupo Mito de Arte e Cultura do Butantã
Grupo Teatral Negro Sim
CIA. Baú Encantado
Ilu Oba De Min
COJIRA - Comissão de Jornalistas pela Igualdade Racial/SP 
Adelinas - Coletivo Autônomo de Mulheres Pretas
Coletivo de Oya - Mulheres Negras da Periferia de SP
Marcha Mundial de Mulheres
Samba Negras em Marcha

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos