Cerimônia foi motivada pela aprovação das cotas raciais na Universidade de São Paulo (USP). Jupiara Castro e Maria José Menezes são integrantes históricas do Núcleo de Consciência Negra com sede na USP.

Texto e Foto / Pedro Borges

Maria José Menezes e Jupiara Castro, ativistas históricas do movimento negro, foram homenageadas no dia 13 de Julho, no Núcleo de Cultura Afro-Brasileira da USP. A cerimônia foi organizada pelos professores e estudantes que compõem o Núcleo de Consciência Negra com sede na universidade.

A entrega do prêmio foi motivada pela adoção das cotas raciais pela USP, última das três universidades estaduais paulistas a aderir ao sistema. Jupiara Castro é a única mulher fundadora do Núcleo de Consciência Negra, em Novembro de 1977, organização que pauta a política de cotas na universidade há décadas. Maria José Menezes, conhecida de maneira carinhosa como Zezé, entrou no grupo em 2009 e desde então é uma das figuras mais atuantes da entidade.

Faixa para textos BAP

Beatriz Souza, estudante de Geografia da USP e integrante do Núcleo de Consciência Negra, acredita que a conquista das cotas raciais na universidade também se deve ao trabalho e à luta das duas, e destaca a importância das homenageadas para a juventude negra.

“Tanto a Jupiara quanto a Maria José são responsáveis pela formação política de muito de nós e de tantos alunos que já passaram pelo núcleo. Elas são pessoas muito importantes e são exemplos para todos nós. Essa homenagem foi uma pequena representação do que sentimos em relação a elas”, explica Beatriz.

Maria José Menezes, bióloga e ativista histórica do movimento negro, enaltece a alegria em receber o carinho de todas e todos que estiveram presentes. “Foi um dos momentos mais felizes da minha vida. Muito carinho, respeito mútuo e cumplicidade. Estava "em casa" e com meu povo. Quer coisa melhor?”.

ZezeJupiara Corpo

Pinguim, coordenador do Núcleo de Cultura Afro-Brasileira, coordena a cerimônia de homenagem à Maria José Menezes e Jupiara Castro (Foto: Pedro Borges/Alma Preta)

A felicidade é também compartilhada por Jupiara Castro, ativista e fundadora do núcleo, que ressalta o clima, a presença de pessoas próximas, e acredita que a homenagem tenha sido uma forma de recordar todas as mulheres negras que atuam na luta antirracista na universidade.

“Eu acho que a homenagem não foi só para mim ou a Zezé, mas para todas as mulheres negras que já participaram do Núcleo de Consciência Negra da USP. Sem a força de todas nós, essas lutas não poderiam ser vencidas”, afirma Jupiara.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos