Tendo à frente o músico Renato Gama, Canto de Vida e Obra reúne música, literatura e encenação para apresentar ao público 10 poemas da escritora mineira, homenageada na atual mostra da série Ocupação no Itaú Cultural.

Texto e imagem / Divulgação

O Itaú Cultural recebe nos dias 10 e 11 de junho (sábado e domingo) o músico Renato Gama em Canto de Vida e Obra, espetáculo lítero-musical conduzido pela poesia e “escrevivências” da escritora mineira Conceição Evaristo, homenageada na 34º exposição da série Ocupação, em cartaz no instituto até o dia 18 de junho. Unindo música e teatro, Gama coloca melodia em 10 poemas da escritora mineira, com foco nas palavras que empoderam a mulher negra e a história de vida da autora, como em Vozes-mulheres, Menina, Fêmea-Fênix e Malungo, brother, irmão.

Em cena, Renato Gama reúne a banda formada pelo contrabaixo e violão de Ronaldo Gama, seu irmão, as baterias de Leo Carvalho e Priscila Hilário, e a flauta de Mariana Per, atriz e musicista que, entre uma música e outra, mergulha nos poemas de Conceição Evaristo. Com a escritora já revelou o seu desejo de ser bailarina e cantora, o espetáculo conta, ainda, com um número da bailarina Malu Avelar em sua referência.

“Por meio da música e do teatro, cantaremos e contaremos a vida e a obra de Conceição Evaristo, com seus poemas que a tornaram uma referência na poesia e empoderam a mulher negra e sua história de vida que demonstra a luta para a sua emancipação, motivando muitas mulheres de seu tempo”, conta Renato Gama. “Lançamos luz à sua vida-poema, encenando, cantando e tocando e, assim fazendo valer a construção do século da mulher”, complementa.

O espetáculo, assim como a produção literária de Conceição Evaristo, é inspirado em histórias comuns e cotidianas, que se tornaram uma fonte de identificação e motivação para mulheres negras, marginalizadas inclusive na literatura. Abordando os desafios que a vida impõe a essas mulheres em sua obra, a escritora fala também de si: do crescimento na favela do Pindura Saia, em Belo Horizonte, da partida para o Rio de Janeiro ainda jovem, da convivência com a filha Ainá Evaristo, de sua relação com dona Joana, sua mãe.

Sobre os artistas

Leo Carvalho é baterista, e acompanha personalidades musicais brasileiras como Daniela Mercury e Bete Carvalho. Atualmente, além de tocar nas bandas Nhocuné Soul e Morabeza Nação, desenvolve um trabalho como educador.

Malu Avelar, preta-mineira, é bailarina. Participou de trabalhos como Concerto, coreografado por Tindaro Silvano, o espetáculo ANTONIA Como se em sua Dança Quisesse Reinventar o Ciclo do Nascer e do Morrer, por Morena Nascimento, as performances Frotage, com o performer Fernando Admouc, e Cor-po Excluso, criada em parceria com o músico Gustavo Felix, assim como Cores, Corpos e Timbres. Participou de experiência na Cia. Treme Terra, no espetáculo Peles Negras e Máscaras Brancas, e atualmente é integrante da Cia. Sansacroma, passando pelo processo de Dança da Indignação.

Mariana Per é graduada em artes plásticas. Sua formação inicial como flautista foi na Escola Municipal de Música, e passou por algumas orquestras de São Paulo. Como artista-educadora, faz da contação de história uma ferramenta importante no seu trajeto. Atualmente, une as duas paixões, a palavra e a música, cantando poemas e histórias, como vocalista do grupo Morabeza Nação.

Priscila Hilário é baterista e percussionista. Traz no rock sua verve musical, dedicando ainda muita atenção aos estilos musicais brasileiros.

Ronaldo Gama é musico e arranjador. Acompanhou musicalmente diversos artistas, como Dudu Nobre, Raça Negra e Nhocuné Soul entre outros. Hoje, além de ser professor do conservatório de música de Guarulhos, desenvolve um projeto de pesquisa sobre o samba.

Renato Gama é musico, ator, produtor musical com trabalhos realizados com a banda Nhocuné Soul e para artistas como Nelson Triunfo, Joana Flor, Tita Reis. Compôs e produziu a trilha musical de alguns espetáculos teatrais, como: A saga do Menino Diamante, Fulero Circo, Rua Florada, Conjugado, o infantil A Guerra dos Quatros Elementos e também do filme O Olho e o Zarolho. Criou e dirigiu o espetáculo 3Áfricas e vem criando músicas para poemas de poetas e poetisas, como Conceição Evaristo, Cuti e Allan da Rosa, entre outros.

Serviço

Espetáculo Canto de Vida e Obra

Com Mariana Per, Malú Avelar, Leo Carvalho, Renato Gama e Ronaldo Gama, Priscila Hilário e Leandro Néri

Dia 10 de junho de 2017 (sábado), às 20h

Dia 11 de junho (domingo), às 19h

Classificação indicativa: Livre

Duração aproximada: 60 minutos

Sala Itaú Cultural (224 lugares)

Entrada gratuita

Distribuição de ingressos:

Público preferencial: 2 horas antes do espetáculo (com direito a um acompanhante)

Público não preferencial: 1 hora antes do espetáculo (um ingresso por pessoa)

Todos os shows têm interpretação em Libras

Estacionamento: Entrada pela Rua Leôncio de Carvalho, 108

Se o visitante carimbar o tíquete na recepção do Itaú Cultural:

3 horas: R$ 7; 4 horas: R$ 9; 5 a 12 horas: R$ 10.

Com manobrista e seguro, gratuito para bicicletas.

Itaú Cultural

Avenida Paulista, 149, Estação Brigadeiro do Metrô

Fones: 11. 2168-1776/1777

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos