Victor Ambergue, jovem de 23 anos, funcionário da empresa Desmarinas Transportes e jogador de futebol da várzea de São Paulo, foi preso em 6 de Outubro, acusado de roubo e sequestro. Todas as provas apontavam para a sua inocência, que foi confirmada na audiência de quinta-feira, 7 de dezembro

Texto / Kaique Dalapola, Pedro Borges e Semayat Oliveira
Imagem / Acervo Pessoal e Semayat Oliveira

Victor Ambergue, 23 anos, não voltou para casa desde o dia 6 de outubro, quando policiais militares foram até a sua residência, na Vila Sabrina, zona norte, e o levaram preso sob acusação de sequestro e roubo. Mesmo com evidências e testemunhas que asseguravam a não presença do jovem no local do crime, Victor ficou por dois meses e um dia no Centro de Detenção Provisória (CDP), em Pinheiros. Na audiência de instrução de ontem, 7 de dezembro, foi concedida a liberdade provisória.

“A sensação de liberdade é melhor do que a de ganhar um campeonato. A liberdade nada nesse mundo pode comprar. Agora é me cuidar e seguir fazendo o que eu sempre fiz, trabalhar, jogar bola, e cuidar da família”, conta Victor Ambergue, funcionário da empresa Desmarinas Transportes e jogador conhecido nos campos de várzea de São Paulo.

Dezenas de pessoas foram até o Fórum Criminal da Barra Funda para acompanhar o caso ou depor. A sessão estava marcada para às 14h, mas não começou antes de 15h30. Alessandra Aparecida Rocha Gabriel, mãe do jovem, chegou ao Fórum às 13h30, assim como outros familiares. Lá permaneceram até a decisão final da juíza Cristina Escher, por volta das 17h30, que decidiu pela soltura depois de uma série de testemunhos.

“Foi muito bom receber meu filho de volta. Foram dois meses sem dormir, nem eu, nem minha família. A gente conseguiu ter uma noite tranquila, fazer uma refeição tranquila, porque a vida da nossa família virou de perna para o ar. Estava todo mundo focado nele. A liberdade do Victor foi a melhor sensação do mundo”, conta Alessandra Aparecida, mãe de Victor.

Victor Ambergue Corpo

Ana Paula Félix e Alessandra Pereira, mãe de Victor, acompanharam a audiência de Victor (Foto: Semayat Oliveira/Nós, Mulheres da Periferia)

O caso

Victor Ambergue foi acusado de participar de um assalto que aconteceu na noite de 26 de Julho, na zona leste, quando um motorista do aplicativo 99 foi chamado para uma corrida na Penha e os três supostos clientes anunciaram um assalto: levaram o celular, jaqueta, tênis, cartões e documentos da vítima.

Duas provas foram levantadas pela Polícia Militar e Civil.

A primeira foi o celular, apreendido com Victor. O jovem negou saber da procedência do aparelho, que tinha comprado via internet, pela página no Facebook de vendas online “Desapego”. O dispositivo móvel era o mesmo do assalto de 26 de Julho.

A segunda foi o reconhecimento de Victor por parte do motorista, 71 dias após o crime, que havia descrito os assaltantes como dois homens brancos e um pardo. Victor é preto.


Entre as testemunhas que foram depor, estava o gerente e a dona da empresa em que o jovem trabalhava no período. Ambos confirmaram que, no dia e horário do crime, ele cumpria expediente na zona norte, a 20km do local do fato. Além disso, um documento assinado por mais de 12 colegas de trabalho e a folha de ponto também foram elementos utilizados na defesa.

O empresário do setor imobiliário, Roberto Soares Rossi, também estava lá. Ele já havia deposto em 9 de outubro na 3ª Delegacia de Divisão Antissequestro do DHPP. O celular foi colocado a venda por ele, via Facebook. Depois de recebê-lo de um antigo inquilino como forma de pagamento por um aluguel atrasado, antes deste voltar para a sua cidade natal, no estado da Bahia. Rossi consultou e não identificou nenhum tipo de bloqueio do aparelho na Anatel, então, anunciou. Victor o comprou por R$ 800,00.

Victor Ambergue Corpo 2

Familiares, amigos e ativistas da União dos Coletivos Pan-Africanistas (UCPA) acompanharam a audiência de Victor (Foto: Semayat Oliveira/Nós, Mulheres da Periferia)

A espera

Alessandra, que imaginou ser mentira quando soube da prisão, lembra que sempre se preocupou em ensinar aos filhos a necessidade do respeito ao próximo, independente de sua classe, cor ou orientação sexual.

Durante todos esses dias, ela recebia mensagens de pessoas próximas do filho que diziam: “não, o Victor não!”.

Jogador de futebol de várzea, o filho já foi vítima de episódios em que torcedores fizeram xingamentos racistas contra ele ou amigos em campo. “Ele ficava muito irritado com isso, mas nunca tomamos nenhuma providência”, contou Alessandra.

Em sua opinião, o fato de serem negros torna as coisas mais difíceis: “No momento do boletim de ocorrência a vítima fala que eram dois brancos e um pardo. E na hora de reconhecer, reconhece um homem preto?”.

No Fórum a tensão era óbvia, foram horas de espera e ela se sentou apenas uma vez, por poucos minutos. Sua amiga, Ana Paula Félix, funcionária pública e moradora da zona leste, tem acompanhado o caso desde o início e também estava lá. Foi ela que provocou alguns sorrisos durante a espera.

“Lembra quando o Victor era pequeno e íamos te visitar? Nossa, ele corria pela rua com o seu irmão pra empinar pipa, lembra?”, Alessandra perguntou, sorrindo. Ana assentiu e já emendava em outra história engraçada que as duas viveram. Tudo durava até o próximo choro.

No fim da tarde, o advogado foi ao encontro da família e fez um sinal de “joia”. Stephanie Rodrigues, companheira de Victor, com quem teve um menino, Arthur, disse emocionada que ele não tinha feito nada para estar ali. “Foram dias de tristeza e angústia”. Ela não via a horas para que eles se reencontrassem, dessa vez em casa, fora da prisão.

Alessandra, além de chorar e agradecer a todos que estavam presentes, começou a planejar como eles poderiam celebrar, juntos. Talvez um churrasco. “Eu não vejo a hora de buscar meu menino amanhã cedo”, que seria a manhã desta sexta-feira. Mas ele foi liberado na noite de quinta-feira mesmo.

Ana Paula, que conheceu Victor ainda criança, disse que o que aconteceu com ele a fez lembrar de seu filhos, que tem 16 anos. “Se aconteceu com ele, um menino negro, trabalhador e que mora na periferia, poderia acontecer com o meu filho também”.

Sobre o Alma Preta

O Alma Preta é uma agência de jornalismo especializado na temática racial do Brasil. Em nosso conteúdo você encontra reportagens, coberturas, colunas, análises, produções audiovisuais, ilustrações e divulgação de eventos da comunidade afro-brasileira. Nosso objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos através do jornalismo qualificado e independente.

Onde Estamos

Endereços e Contatos
18-80. Jd Nasralla - Cep: 17012-140
Bauru - São Paulo
contato(@)almapreta.com

Mais Lidos